Quinta-feira, 19 de Abril de 2007

O PRECARIADO REBELA-SE - TOD@S AO MAYDAY!!

 




O PRECARIADO REBELA-SE
* No primeiro de Maio, que é o feriado mundial dos trabalhadores, realizam-se por toda a Europa as paradas MayDay. Essas iniciativas são manifestações de visibilidade do trabalho sem voz: os precários de todo o tipo.* A primeira parada MayDay de Lisboa é uma festa rebelde que junta operadores de call center, imigrantes, bolseiros, intermitentes do espectáculo e do audiovisual,estagiários, desempregados e contratados a prazo, estudantes- (já/ainda/quase) -trabalhadores, etc…
* A precariedade invade todas as áreas da vida e é mais completa entre os mais novos. Sair de casa dos pais, aguentar uma renda ou um empréstimo, são coisas simples que se transformam em grandes riscos. O trabalho precário nem sempre é pago. É quase sempre mal pago. O patrão que emprega raramente é o que contrata: as empresas de trabalho temporáriomultiplicam-se, crescem e exibem lucros milionários. Nelas, o salário é mais curto, o contrato pode acabar sem aviso e nem sempre deixando subsídio de desemprego.
* No MayDay, desfilaremos contra a exploração, contra o emagrecimento dos apoios sociais e à habitação, pelo direito a trabalhar sem chantagem e a um mínimo de independência e conforto. Ninguém quer passar o resto da vida a pensar como pagar a próxima conta e a fazer malabarismos com três trabalhos precários.
Precárias e precários, todos ao MAYDAY!
MayDay!! :: MayDay2007!! :: 1º Maio :: parada mayday até ao estádio 1º maio (inatel) :: participação na manif cgtp, do inatel à cidade universitária :: MayDay!! MayDay!!


publicado por uon às 09:47 | link do post

Retirado de A-infos


As trabalhadoras da limpeza da Universidade Pablo de Olavide de Sevilha
estão em greve indefinida, declarada pelos sindicatos CNT e CIT, desde 18 de
Março passado. As suas reivindicações são:

1- Readmissão imediata de 3 companheiras despedidas.

2- Contratos indefinidos a tempo completo para todo o pessoal.

3- Aplicação do acordo subscrito para os trabalhadores da Hispalense,
especialmente no que respeita à subida salarial (9,5%); redução da jornada
laboral (35 horas semanais); assuntos próprios (oito dias), etc.

4- Supressão do turno da noite, imposto pela empresa.

5- Direitos e garantias em igualdade de condições para todas as
secções sindicais.

A trabalhadoras receberam a solidariedade da maioria dos professores e
estudantes. Pelo contrário, foram criminalizadas pelo reitor, que as acusou
de «terroristas» e de realizar actos de sabotagem na universidade e enviou
contra elas a polícia anti-motins, que as expulsou do campus. Apesar dele,
elas continuam manifestando-se quer na universidade como no centro da
cidade.

Estamos tod@s - na AC-Interpro - em solidariedade activa com as
trabalhadoras em greve e com a CNT de Sevilha, que organiza a luta.
Sabemos que este sector é (também aqui, em Portugal) de baixos salários,
onde reina -em muitos casos - a maior violência patronal, sem respeito pelos
horários de trabalho, pelas condições de higiene e segurança, pelas normas
contratuais ou pelas leis laborais.
Repudiamos a atitude autoritária do reitor da UPA; a razão não está do seu
lado...
Vamos encetar uma colecta, que enviaremos às trabalhadoras.
*Solidariedade com as trabalhadoras há um mês em luta na UPA - Sevilha! *

As grevistas abriram uma caixa de resistência para sustentar economicamente
o conflito. Esta tem o número interbancário seguinte:
Caja de Ahorros Monte de Piedad:
2098.0269.14.0372014028

Parede, 18-04-07
Pela Comissão Provisória da AC-Interpro
Manuel Baptista
--
Associação de Classe Interprofissional
www.acinterpro.org
acinterpro@gmail.com
http://groups.google.com/group/AC-Interpro



publicado por uon às 09:35 | link do post

de Gonçalves Correia CCA goncalvescorreia(a)hotmail.com

Dia 25 de Abril, pelas 18 horas apelamos à participação activa num acto de
resistência à farsa Nazionalista, que terá início na Praça da Figueira,
depois da manifestação do 25 de Abril ter terminado.
Acreditamos que a impunidade e o à vontade com que os vários grupos "nazis"
"fascistas" ou ditos "nacionalistas" agem tem de ser combatida aqui e agora,
e sabemos que esse não é nem será nunca a tarefa de qualquer polícia ou
instituição estatal, pelas suas afinidades e cumplicidades. A nossa denúncia
é popular, não judicial.
Como tal, acreditamos que devemos exercer e expandir a autodefesa contra
qualquer tipo de agressão por parte desses grupos que fazem o trabalho sujo
que os capitalistas não querem fazer. Mas não nos esquecemos que quem
financia tais grupos, quem os chama sempre que é preciso amedrontar os
oprimidos, são os mesmos que controlam a economia, os estados e semearam a
divisão, a desconfiança, a miséria e mantêm-nos presos no nosso medo,
divididos nas nossas lutas, e "condenados" à derrota.
E è contra esses que dirigimos a nossa luta, ontem, hoje e enquanto
existirem.
Esta manifestação, que é proposta por grupos libertários e autónomos, è
aberta à participação de todas as pessoas e ideias que, de uma forma não
partidária, desejam expressar a sua revolta e determinação, numa
manifestação popular e unitária.
Queremos deixar bem claro que somos e seremos capazes de nos organizar para
agir e reagir sempre que necessário. Desejamos que a manifestação seja uma
prova de força e determinação, chegando até ao seu final sem problemas nem
distúrbios. Mas nunca renunciaremos ao nosso direito de autodefesa.
Sabemos que ninguém é invencível, nenhum império, nenhum estado, nenhuma
força de repressão, mas também sabemos que nada cai por si só.
Participemos todos na manifestação, activamente; os dias não estão para
divisões, nem para apatia.
Dia 25 de Abril, unidos e organizados sem partidos nem estado


publicado por uon às 09:32 | link do post

Quarta-feira, 18 de Abril de 2007
A proposíto da campanha das "novas oportunidaes", não são iguais para todos.Os filhos dos ricos têm muito melhores condições para terem um canudo ou uma especialização qualquer, enquanto os filhos dos trabalhadores não têm as mesmas condições económicas socais para poderem tirar um curso e especializarem-se.
A campanha do governo é um tremor de terra contra os trabalhadores que fazem certos serviços que precisam ser feitos, mas são mal pagos, e por isso só os emigrantes, desempregados, e pessoas sem especialização os querem fazer.
Um jardineiro, cantoneiro, servente de obras, pedreiro, etc é tão digno como ter um curso superior desde que seja feito com dignidade, responsabilidade, e só esses trabalhadores podem dignificar a sua profissão lutando por melhores condições de vida e de trabalho no dia-a-dia.


publicado por uon às 14:21 | link do post

A CGTP vai convocar uma greve geral, até aqui tudo bem.
O problema é que esta greve não visa mudar nada no panorama sindical e político.
O governo vai continuar a sua política anti-social e anti-laboral contra os trabalhadores.
Esta suposta greve geral é para fazer coçegas ao governo, porque nada vai mudar, porque a CGTP está embuída de um espirito reformista que não belisca o governo e o Estado.
Uma greve séria e mobilizadora só se podia fazer se fosse de vários dias seguidos ou alternados com um carácter revolucionário e se a CGTP saísse do Conselho de Concertação Social, onde está com os patrões e governo e onde se cozinham a retirada de direitos dos trabalhadores e os acordos entre sindicatos patrões e governo, mas a CGTP não está interessada.
Isto é mais uma greve para saber o grau de descontentamento operário e popular, mas de certeza que esse descontamento não se manifesta na aderência as greves, mas na cara do povo.
Esse descontentamento só se manifesta no pagamento do custo de vida, da precariedade laboral e social, nos despedimentos arbitrários, fechos de empresas, nos postos de saúde que faltam, no fecho de maternidades, nos internamentos hospitalares com pagamento das taxas moderadoras, na exploração patronal, na repressão social, patronal, e policial.


publicado por uon às 10:32 | link do post

Terça-feira, 17 de Abril de 2007

Público

Mais de dez mil denúncias ficam sem resposta
Falta de meios leva inspecção do trabalho a recusar 40 por cento das queixas 
 

 

A Inspecção-Geral do Trabalho não consegue responder anualmente a mais de dez mil das denúncias que recebe por falta de meios humanos, um valor que corresponde a mais de 40 por cento do total de pedidos de intervenção anuais, avançou hoje o Rádio Clube Português.

Segundo os últimos dados tornados públicos, a inspecção do Trabalho não tem inspectores suficientes para responder eficazmente a todas as denúncias que surgem de vários sectores de actividade. Os últimos dados revelam que 10.200 pedidos de intervenção da inspecção recebidos em 2005 não obtiveram resposta e transitaram para 2006.

A maioria dos pedidos de intervenção surgiu no sector da construção civil – mais de 1600. Seguiram-se os serviços e a indústria hoteleira.

A Inspecção-Geral do Trabalho dispõe de 286 inspectores, mas o quadro previsto é de 538 elementos.

A Federação Nacional dos Sindicatos da Construção Civil queixa-se que, para além da falta de resposta da inspecção, a morosidade faz com que em alguns casos as acções dos inspectores são feitas quando a obra já está concluída.

 

A Inspecção do Trabalho debate-se com falta de meios humanos para fiscalizar todas as empresas que têm problemas de segurança e os abusos para com os trabalhadores que são cometidos pelos patrões.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

comentário:

 

Mas, num regime democrático capitalista não se espera outra coisa, porque na realidade os organismos estatais protegem os patrões e outros parasitas mesmo que os trabalhadores tenham falta de segurança, estejam em precariedade laboral e sejam explorados até ao tutano o governo não faz nada por defende o capital e não trabalho.

 

 



publicado por uon às 14:11 | link do post

Há alguns anos que vários militantes anarquistas vêm tomando iniciativas avulsas para a constituição de sindicatos revolucionários.

Já há alguns anos que existe a secção portuguesa da AIT, que procurava ser o embrião do novo sindicalismo em Portugal.

Mas, passado alguns anos esse mesmo sindicalismo continua a ser uma miragem.

Mais recentemente,  vários militantes juntaram-se para constituir esse mesmo sindicalismo, mas por agora, mais uma vez ficou adiado.

A única conclusão a tirar-se é que é dificil constituir-se um sindicalismo alternativo sem um amplo apoio de todos e todas as pessoas que se interessam pela mudança da sociadade.

Ninguém nega que o sindicalismo revolucionário faz falta aos anarquistas e aos outros trabalhadores porque só assim poderemos lutar contra a opressão capitalista na empresa, fábrica, escritório ou escola e também podemos lutar por uma nova sociedade mais justa, solidária e anarquista.

Apesar de todas as diferenças que existem entre nós, entre individuos que são pela organização e os que não são pela organização de coisas simples só a UNIÃO de todos poderemos constituir alguma coisa.

Esta iniciativa conjunta da manifestação do 25 de Abril pode ser um ponto de partida, para novas realizações.

Assim se deseja.

 



publicado por uon às 10:10 | link do post

A notícia de dois fiscais da Câmara de Lisboa terem sido presos revela só a ponta do iceberg.
Um fiscal da Câmara que ganha uma miséria de ordenado, talvez um pouco mais de cem contos, é facilmente manipulável pelos construtores.
A polícia não deve ter mais nada para fazer do que andar atrás de dois miseráveis trabalhadores que receberam uns míseros euros, para os construtores terem a parte de leão.
A grande corrupção não é investigada, por que esses têm gente servil no aparelho do estado que os protegem, e só quando as coisas chegam a proporções alarmantes, que já não dá para esconder é que a polícia é obrigada a investigar, mas até lá, as coisas correm  sobre rodas, estão todos na maior, almoçam, jantam, compram vivendas, carros etc.


publicado por uon às 10:00 | link do post

Sexta-feira, 13 de Abril de 2007

As ideias fascistas do Pnr fazem parte do programa de governo do P"S".
O PNr nem precisa de estar no governo o pS têm dado conta do recado.
A última das medidas do governo é mandar para o desemprego encapotado, milhares de funcionários públicos.
Aparte disso este governo do Ps tem feito o resto, fecho de empresas, maternidades, escolas, repressão policial, hospitais,milhares de emigrantes no desemprego,

Se os emigrantes fossem inteligentes nunca poriam os pés em Portugal, porque nem os portugueses são bem tratados quanto mais os emigrantes etc.
O prn devia sentir-se orgulhoso de ter um governo assim, tão descarado e tão servil aos interesses do capitalismo internacional e oas ditames de Bush.



publicado por uon às 15:50 | link do post

A política do governo/PS está a dar os primeiros resultados negativos.
Os primeiros trabalhadores a receber as férias sem retorno são os trabalhadores do Ministério da Agricultura.
Os trabalhadores agora só têm de se unir com os trabalhadores de outros ministérios, porque os próximos vão ser eles e ninguêm sabe quem vai ficar nessa lista negra e  a solidariedade pode contar muito para impedir que o governo leve avante estes despedimentos encapotados.
Se há muita gente no Estado deve-se ao facto, de sempre que entra um novo governo entram milhares de novos assessores para os gabinetes sem concurso sem nada, só porque têm cartão partidário.
Se contarmos os governos que já passaram perdemos a conta ao número de novos funcionários que entraram.
A avaliar pelo têm feito os sindicatos que se ficam pelos recursos aos tribunais e providências cautelares, e greves de quando em quando, para ver no  que dá.
Os sindicatos já podiam ter marcado uma greve no Ministério da Agricultura há muito tempo, antes da saída da lista, porque agora é muito mais difícil pôr os funcionários do MA a fazer greve, se não estão na lista, porque na função pública existe muito egoismo e sacanisse entre muitos funcionários como é próprio do Estado.


publicado por uon às 15:18 | link do post

Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13

18
23
24

25
26
27
28


posts recentes

Mina de urânio espanhola ...

A extrema-direita em Port...

General americano diz que...

RETRATO POLITICO ECONÓMIC...

SELECÇÃO/CLUBE QUE NÃO GA...

O que quer Rui Rio

Nem comunismo autoritário...

O ESTADO DO ESTADO

Passos deixa parlamento

Mais dinheiro para a NATO...

arquivos

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Março 2006

favoritos

Letra da Internacional An...

4 Julho de 1937:Foto do a...

Cartaz

Luta anarquista a Norte

Feira do Livro anarquista

O anarquismo na história ...

A accão directa é...

Filme "Memória Subversiva...

Consultório laboral

Projecto de Estatutos da ...

links
desde 23/05/11
contador de visitas
compteur de visite
agora
blogs SAPO