Quarta-feira, 30 de Novembro de 2011

 

http://internationalworkersassociation.blogspot.com/2011/11/solidaridad-con-el-companero-marcos.html



publicado por uon às 14:33 | link do post

Terça-feira, 29 de Novembro de 2011

POLÍTICOS GATUNOS, CAPITALISTAS E TROIKAS, NÃO VOS ESQUEÇAIS: CORTA MELHOR QUEM CORTA POR ÚLTIMO!

...e haveis de pagar bem caro todos os "cortes" nos salários d@s trabalhadoras/es, nas pensões de reforma, nos apoios sociais aos mais necessitados, nos 13ºs e 14º mêses, nos abonos de família, na educação, na saúde, nos serviços públicos...

Porque a " crise" foram os grandes patrões e governantes, que a fizeram e sempre a fazem ! São ELES quem "gasta mais acima das possibilidades"- nós...nem "possibilidades" temos!...E ELES para salvarem os bancos enterram-nos a nós, povo! Porque querem voltar ao tempo da exploração capitalista mais selvagem –com (ainda) mais baixos salários e um único " direito ": continuarmos a trabalhar para lhes encher a pança e alimentar-lhes todos os privilégios !

BASTA DE BRANDOS COSTUMES! REVOLTA, RESISTÊNCIA E REVOLUÇÃO SOCIAL!

AUTO-ORGANIZAÇÃO POPULAR, OCUPAÇÃO E AUTO-GESTÃO!

ASSEMBLEIAS E ORGANIZAÇÃO POPULAR EM CADA PRAÇA E BAIRRO!

PARA NÃO TE TORNARES ESCRAV@ - TORNA-TE ANARQUISTA!

(INFORMA-TE, CRIA UM GRUPO DE AFINIDADE COM OS TEUS AMIGOS, ORGANIZA-TE, AGE DIRECTAMENTE)

 

Grupo anarquista do Noroeste (Espanha)

 



publicado por uon às 17:08 | link do post

Somos um país vigiado de norte a sul pelas câmaras de vigilânCia.

Portugal tem 23 500 sistemas de videovigilância instalados em cafés, fábricas, bancos e outros locais, autorizados pela Comissão Nacional de Protecção de Dados.

A privacidade das pessoas está cada vez mais em causa.

A pretexto de uma suposta segurança dos cidadãos milhares da câmaras foram instaladas em tudo quanto é sítio, como é indicado acima.

Mas o cidadão segurado também um suposto suspeito e um individuo perigoso as mãos do Estado.

Estamos perante um verdadeiro big brother em que para o Estado somos todos malfeitores.

Mas, com tanta câmara o Estado não é capaz de saber quem é criminoso que nos meteu na bancarrota e quem nos rouba nas férias no 13º e nos feriados.

O criminoso chama-se PaSSos.



publicado por uon às 10:09 | link do post

Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011

O governo diz que cada feriado custa 37 milhões de euros a Portugal.

Por esta ordem de ideias será melhor o governo acabar com as folgas ao domingo e pôr a trabalhar toda a gente por que dá imenso prejuízo.

Se calhar vontade não falta ao governo trabalhamos de sol a sol 24 horas por dia, todos os dias do ano.

Se o governo tivesse um pouco de vergonha não acabava com os feriados, o que está está, e não é por a situação social estar na mó debaixo que alteram as regras.

O governo deve arranjar alternativas para a prejudicar os trabalhadores seja nos feriados e nos cortes dos subsídios, se não sabe governar meta a viola no saco e vá-se embora.

 

Abaixo a ditadura democrática!

Viva a liberdade!

Abaixo os cortes!

Não retirada dos feriados!

 

 

 



publicado por uon às 10:48 | link do post

Sábado, 26 de Novembro de 2011

Portugal candidatou o FADO a património imaterial da humanidade. Mas o que é isto de "imaterial". Alguém sabe explicar o que é isto.

Com esta candidatura foram gastos milhares de contos e levou o presidente da câmara de Lisboa a Bali, uma estancia turística, mais uns quantos que foram gozar os rendimentos de todos nós.

O fado só é bom para os artistas que o cantam, vão fazer mais espectáculos, vender mais discos e fazem mais uns negócios.

A nível cultural também deixa muito a desejar as letras cantadas que são simplemente comerciais e não cantam a vida do povo que sofre ou é escravizado e explorado pelo o governo e pelo patrão.

O fado quando apareceu é uma arma dos explorados contra os senhores e era cantado por gente do povo, nas tabernas, sem qualquer beneficio comercial.

Hoje o fado é uma arma para ganhar dinheiro.

O nosso fado é outro e deixemo-nos de fantochadas.



publicado por uon às 18:40 | link do post

Sexta-feira, 25 de Novembro de 2011

http://ait-sp.blogspot.com/2011/11/ait-sp-porto-conhece-os-teus-direitos.html



publicado por uon às 17:19 | link do post

 

A greve geral de 1918
um marco na história do movimento sindical português

Francisco Canais Rocha
Historiador

Em 18 de Novembro de 1918, faz agora 90 anos, rebenta uma das mais importantes greves gerais que houve durante a Primeira República (1910-1926).

O objectivo fundamental dessa greve, dirigida pela União Operária Nacional (UON), criada em 1914, era o de protestar contra a carestia e falta de produtos alimentares e contra a política do governo, pois, enquanto o povo passava fome e os soldados morriam nas trincheiras da Flandres (na Primeira Guerra Mundial), os capitalistas e os agrários enriqueciam mais. Ocupava o poder Sidónio Pais, que só se preocupava com os interesses dos grandes capitalistas e dos latifundiários.

Apesar de longamente preparada e da combatividade demonstrada pelos grevistas, esta greve geral não atingiu os seus objectivos. Por um lado, devido ao fim da Grande Guerra, como ficou conhecida a Primeira Guerra Mundial, cujo Armistício foi assinada em 11 de Novembro, e que rasgou esperanças numa melhoria da situação a curto prazo, contribuindo, desse modo, para a desmobilização dos sectores mais moderados do operariado organizado. Por outro lado, por causa da violenta repressão, lançada sobre os sindicalistas no período que antecedeu a greve geral, expressa em inúmeras prisões e no encerramento dos seus sindicatos. E, por fim, a pandemia Pneumónica, também conhecida por «gripe espanhola», que assolava o País e que se saldou por mais de cem mil mortos, contribuiu igualmente para o insucesso do movimento, na medida em muitos sindicalistas e trabalhadores foram ceifados por ela.

O sidonismo, ditadura de novo tipo

Em Portugal, 1917 marca o início do fluxo do movimento sindical. Havia mais de um ano que Portugal participava na guerra e o esforço que esta exigia ao País acarretava consequências internas desastrosas, cujos efeitos recaíam, fundamentalmente, sobre os trabalhadores. Esta crítica situação «empurra» o operariado para a luta - a luta pelas «subsistências», contra a carestia de vida. Basta dizer que, de Junho de 1917 a Março de 1918, se travaram mais de 200 greves, das quais 171 (83 por cento) foram por questões salariais. Este movimento grevista tem o seu ponto alto no «Verão quente» de 1917, sendo o governo de Afonso Costa obrigado a decretar o estado de sítio (greve geral da construção civil), com mortos e feridos à mistura, seguida de greve geral de solidariedade, de 48 horas, decretada pela UON, ou a mobilizar os grevistas (greve geral dos telégrafos-postais, seguida igualmente de greve geral de solidariedade) e a prendê-los, nos barcos de guerra surtos no Tejo ou nos vários fortes militares espalhados pelo País, acusados de traição.

Mas a luta contra a a falta de géneros não é travada apenas através de greves. Por todo o País assiste-se a vagas de assaltos das populações. Aliás, os assaltos aos armazéns e lojas de víveres são a resposta do proletariado em geral, e do povo em particular, contra a carência e o açambarcamento dos géneros alimentares. Nesses assaltos participam não só os trabalhadores, mas também camadas da pequena burguesia e do campesinato.

O «Verão Quente» de 1917 prenuncia o sidonismo, o qual se inicia com o golpe de Estado militar de Sidónio Pais, levado a efeito em 5 de Dezembro de 1917. Sidónio Pais, que era membro da União Republicana, partido que esteve envolvido no golpe, ensaia em Portugal a primeira ditadura moderna de tipo fascista, que se veio mais tarde a concretizar na Itália com Mussolini, na Alemanha com Hitler, no nosso país com Salazar, na Espanha com Franco, etc..

Passada a primeira fase de expectativa e de «simpatia benévola» para com o sidonismo, depressa os trabalhadores passaram à ofensiva. A UON recusa ocupar o lugar no Senado sidonista e apela à organização operária para se afastar das lutas políticas. Apoiando-se cada vez mais nos monárquicos e na Igreja, Sidónio País levou a cabo uma política ao serviço dos grandes interesses económicos, como Alfredo da Silva (CUF), e dos latifundiários, e de repressão sobre o movimento operário. Os sindicatos da cidade e do campo são encerrados, os dirigentes sindicais são detidos e deportados para África, de onde alguns não regressarão. As cadeias enchem‑se de presos. Desde os mineiros de São Pedro da Cova aos pescadores de Portimão, passando pelos trabalhadores rurais de Alpiarça e Montemor‑o‑Novo, as prisões sucedem‑se por todo o País. Vive‑se um clima de terror, de verdadeira guerra civil. Segundo Bento Gonçalves, quando Sidónio Pais foi morto, em 14 de Dezembro de 1918, tinham passado pelas cadeias sidonistas, em Portugal e em África, cerca de 20 mil presos.(1)

Greve geral nacional

Entretanto a situação dos trabalhadores continuava a degradar‑se. O açambarcamento e a carestia atingiam proporções nunca vistas, a repressão e a censura também, pois, apesar do custo de vida não parar de aumentar, Sidónio Pais reduziu os salários dos trabalhadores do Estado. Perante isto, a UON não podia ficar indiferente. Por um lado, porque muitos trabalhadores defendiam que só a unificação de todas as greves tornaria possível que a luta contra a carestia fosse eficaz, enquanto outros, os mais radicais, consideravam que tinha chegado o momento de se fazer a greve geral expropriadora com carácter revolucionário.

Assim, de acordo com a Federação da Indústria, a UON preparou um plano de trabalhos a levar a cabo pelo movimento sindical, que consistia no seguinte: 1.° - Promover em todos os sindicatos do País assembleias onde se discutiriam as reivindicações das classes profissionais; 2.° - Realização de comícios, no mesmo dia e à mesma hora, em Lisboa, Porto e em todos os centros industriais e agrícolas; 3.º - Preparar uma greve geral nacional, se o Governo continuasse a não atender as reclamações operárias.

Os comícios foram marcados para o dia 15 de Setembro de 1918, tendo‑se realizado cerca de 40. Muitos foram proibidos pelas autoridades, sendo substituídos por assembleias nas sedes dos sindicatos. Em Alpiarça e Montemor‑o‑Novo foram encerrados os sindicatos e mortos trabalhadores a tiro. Como escreveu Alexandre Vieira, secretário‑geral da UON, «a acção desenvolvida, não apenas em Lisboa mas em todo o País, no sentido de ser levada a efeito a greve geral, que abrangeria todo o território continental, foi considerável, podendo mesmo afirmar‑se que nunca em Portugal, como então, se trabalhou tão intensa e extensamente na preparação de uma greve. (2)

Nos meses que antecederam a greve geral, foi lançada uma violenta campanha contra o movimento sindical, que era acusado pelos jornais reaccionários (O Tempo, O Dia, A Situação) de pretender fazer uma revolução bolchevique. A burguesia portuguesa vivia amedrontada com a Revolução Russa, que tivera lugar no ano anterior, e temia que Portugal acordasse um dia sob o poder dos sovietes.

Apesar desta campanha, no dia 18 de Novembro os trabalhadores lançam‑se corajosamente na greve. Esta é seguida pelos ferroviários do Sul e Sueste, que impedem a circulação dos comboios durante vários dias, apesar do Governo ter mandado ocupar militarmente as estações de caminho-de-ferro; pelos trabalhadores rurais do Alentejo, que se mantêm em greve durante uma semana; pelos trabalhadores da construção civil de Lisboa, Évora e Setúbal e pelos gráficos da capital, que não permitem a publicação de jornais durante oito dias. Além disso, a greve foi ainda seguida por uma parte do operariado do Algarve (Portimão, Tavira, Silves e Olhão), do Barreiro e de Setúbal, pelos trabalhadores da Póvoa de Varzim, pelos ferroviários de Vale de Vouga e uma parte dos de Ovar e Gaia.

A greve foi esmagada a ferro e fogo. Centenas de trabalhadores foram presos, por todo o País, e dezenas deles, oriundos de Vale de Santiago, no concelho de Odemira, foram deportados para Angola, sem julgamento nem culpa formada. Eram acusados de terem ocupado as terras dos agrários no primeiro dia de greve. Ao mesmo tempo, dezenas de sindicatos, incluindo a UON, eram encerrados.

As perseguições aos sindicalistas continuaram até ao fim do reinado de Sidónio Pais. E agravaram‑se quando este foi morto, na estação do Rossio, antes de embarcar para o Porto. A Polícia Preventiva - criada pelo ditador e antecessora da PIDE, a polícia política do fascismo - invadia as sedes dos sindicatos e obrigava os sindicalistas a porem as bandeiras a meia‑haste, em sua memória.

Os objectivos imediatos da greve geral não foram alcançados. No entanto, nem por isso se pode considerar que a greve foi um fracasso total. Primeiro, porque menos de um mês depois, a 14 de Dezembro, Sidónio Pais era morto e o seu regime derrubado, sendo restauradas, pouco depois, as liberdades democrático‑burguesas. Segundo, e este é o aspecto mais importante, não obstante a repressão, o movimento sindical não foi desfeito. E tanto assim é que, três meses mais tarde, a 23 de Fevereiro de 1918, inicia a publicação do jornal A Batalha que, começando com uma tiragem diária de 7500 exemplares, em breve alcança os 18 mil, sendo na altura o terceiro diário português, logo a seguir ao Diário de Notícias e O Século. Em Maio desse ano conquista a jornada de trabalho de oito horas, velha reivindicação operária, e em Setembro seguinte funda a CGT (Confederação Geral do Trabalho), a primeira confederação dos trabalhadores portugueses.

Depois de 1918 mais greves gerais foram desencadeadas no nosso país, algumas das quais já depois da revolução democrática de 25 de Abril de 1974. Mas a greve de 18 de Novembro de 1918 permanece como um marco inapagável na História do movimento sindical português.

Notas:
(1) Bento Gonçalves, Elementos para a História do Movimento Operário Português, policop., 1969, p. 19.
(2) Alexandre Vieira, Para a História do Sindicalismo em Portugal, 2.ª ed., Lisboa, Seara Nova, 1974, p. 135.

Fonte: http://www.fiequimetal.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=364&...



publicado por uon às 16:54 | link do post

Milhares de trabalhadores estiveram ontem em greve por sua livre e espontânea vontade, contra as medidas de austuridade

Outros foram impedidos de trabalhar por falta de transportes públicos.

Em Lisboa, a Carris esteve a meio gás em resultado dos serviços mínimos. Metro esteve parado. CP está quase na totalidade parado.Barcos parados nas duas margens.

Função Pública esteve também parada a meio gás.

A greve teve particular ênfase em Lisboa e Porto. e nas principais cidades.

Houve manifestações junto do Parlamento da CGTP e do 15O e Indignados.

Houve escaramuças entre manifestantes e forças policiais com alguns feridos e prisões de manifestantes.

No fundo foi um primeiro roud numa greve a meio gás, nada de significativo para história do movimento operário.

 

 



publicado por uon às 11:28 | link do post

Quarta-feira, 23 de Novembro de 2011

Dr.. Soares
O senhor sabe porventura o que é a "ANARQUIA"?
Já leu alguma coisa sobre o sistema social anárquico.
A anarquia é um sistema social avançado baseado na igualdade social, liberdade e solidariedade onde todos sem excepção podem ter voto na matéria sobre determinado problema para surgir a melhor das soluções, por consenso.
De facto a "anarquia" é o sistema mais democrático e aberto e onde existe a democracia directa.
Os anarquista e anarco-sindicalista usam a acção directa como forma de luta, livre de intermediários e não recebem subvenções estatais.
É um sistema social onde existe regras básicas aprovadas por todos e não impostas a ninguém.

É um sistema onde não existe um governo, mas um autogoverno.

A autogestão e autorganização como expoente máximo.
Tudo se decide em assembleia locais.

Não existem exércitos ou polícias.

Muito diferente da democracia representativa onde meia dúzia decidem por todos nós a pior das soluções. e tem-se visto ao que a democracia chegou.
Anarquistas ilustres: Proudhon, Bakunine, Kroptkine,Tolstoy, Maletesta, Durruti, Federica Montesin. Emídio Santana, Neno Vasco. Manuel Joaquim de Sousa  e muitos outros.

 



publicado por uon às 11:12 | link do post

Terça-feira, 22 de Novembro de 2011

Alunos protestam contra fim do atual passe escolar (Lusa)

 

Cerca de 200 alunos do ensino básico e secundário de Lisboa estavam às 12:00 a manifestar-se frente ao Ministério da Educação, na avenida 5 de Outubro, contra as medidas de austeridade, em particular o corte na comparticipação do passe escolar. O Governo anunciou que o passe escolar é para acabar, prometendo subsidiar, de outra forma, o passe de alunos com mais dificuldades económicas. Fotografia: LUSA



publicado por uon às 14:13 | link do post

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
18

19
22
24

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Fora com o governo de Cos...

Já nos bastaram 48 anos d...

Mais repressão nos espera...

Desemprego registado cai ...

Bloco quer mexer nos orde...

Situação na Europa e no M...

Noruega seria ainda mais ...

Mais radicais e populista...

Por que escolher uma dita...

O descaramento do PNR

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Março 2006

favoritos

Letra da Internacional An...

4 Julho de 1937:Foto do a...

Cartaz

Luta anarquista a Norte

Feira do Livro anarquista

O anarquismo na história ...

A accão directa é...

Filme "Memória Subversiva...

Consultório laboral

Projecto de Estatutos da ...

links
desde 23/05/11
contador de visitas
compteur de visite
agora
blogs SAPO