Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LUTA ENTRE CLASSES

LUTA ENTRE CLASSES

Comunicado do Indymédia Portugal

19.03.07, uon
O Indymedia Portugal mudou. Primeiro mudou de servidor, motivo pelo qual esteve inacessível nos últimos dias, e poderá temporariamente voltar a estar. Mas surgiu também a necessidade de repensar o funcionamento da página: os princípios editoriais, as dinâmicas adquiridas ao longo do tempo, a disposição gráfica e os problemas derivados do mau uso que se faz de uma ferramenta que se quer construtiva e de debate enriquecedor.

A vontade é de quebrar com uma realidade de estagnação e alguns mal entendidos em relação ao que consideramos que deve ser um projecto de contra-informação na Internet.

A presente dinâmica encontrada nos comentários, por exemplo, do nosso ponto de vista, é uma atenuante da utilidade da página: entre outros, a importância "aleatória" de determinadas noticias, conferida unicamente pela existência de polémicas muitas vezes pessoais e insultuosas que alimentavam o destaque dado à notícia na barra dos comentários. Por outro lado a existência de pessoas ou grupos estranhos aos princípios e objectivos anti-capitalistas e anti-autoritários do Indymedia mas que beneficiam do formato "publicação aberta" e abusam do seu sentido com propaganda massiva.

O Indymedia existe para dar voz aos que não a têm, reduzidos ao silêncio nos meios de comunicação criados e sustentados pelo sistema, que iludem descrevendo "realidades" e emitindo opiniões do interesse das camadas dominantes da economia, seleccionadas e globalmente difundidas, destinadas a encobrir a dura verdade e a conformar artificialmente a opinião pública, manipulando o medo e a mentira, levando-a a aceitar o inaceitável.

Acreditamos que a Censura existe sobretudo no excesso de desinformação que nos rodeia, e porque achamos que as opiniões "dominantes" já têm o seu lugar em 99% dos meios de comunicação, não fazendo sentido existirmos para albergar mais do mesmo, achamos vital impulsionar o projecto reafirmando os seus pressupostos sociais e dar continuidade à construção desta plataforma de comunicação entre indivíduos, grupos, colectivos e movimentos sociais que estão activamente empenhados em denunciar a precariedade das condições de vida e a brutalidade do sistema social e económico imperante.



Queremos acima de tudo que o Indymedia permaneça livre e aberto à discussão construtiva, à crítica, à solidariedade, ao apoio mútuo e às contribuições de tod@s @s utilizador@s que, como nós, partilham a ideia de que é importante, aqui e agora, Romper o Silêncio.



CMI- Indymedia Portugal.