Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

O trabalhador do presente

13.05.08, uon

Com este novo Código do Trabalho os trabalhadores vão perder direitos e vão ser escravos dos patrões que nunca tiveram tanto poder para despedir um trabalhador como agora.

Os trabalhadores deixaram de lutar pelas suas reivindicações por que os sindicatos estão vendidos ao governo e aos patrões e este sindicalismo reformista protagonizado pelas centrais sindicais CGTP/UGT não têm nada a ver com sindicalismo revolucionário praticado pelos sindicatos no início nos fins do séc. XIX e XX, por que aí os trabalhadores tinham menos "instrução" mas tinham consciência de classe de que eram explorados e por isso lutavam por uma sociedade diferente onde todos pudessem viver.

Hoje os trabalhadores vivem numa situação diferente a exploração é mais soft e quase não se vê, por que grande parte dos operários  trabalha com um computador faz muitas horas de trabalho não renumeradas só para manter o emprego e não nota a diferença da exploração e  do rendimento que dá ao patrão.

No presente temos trabalhadores com rendimentos proporcionais muito próximos do séc.XIX com pouca consciência de classe e pouco solidário, explorado e que não luta mas com um consumo muito mais elevado, que o leva a endividar-se com os cartões de crédito, etc e com a casa e o carro e com menos benefícios sociais.

 

 

Comentário retirado do (P) de um leitor da Figueira da Foz

 

O facto é que o assunto tem de ser discutido entre os parceiros sociais: patrões e sindicatos. Os patrões têm os lucros à custa do trabalho, e é lógico que no mínimo garantam a maior estabilidade aos seus trabalhadores que lhes proporcionam afinal toda a sua riqueza. Por isso não é sectarismo defender que os trabalhadores tenham direito à dignidade, tenham direito à família, e tenham direito a uma vida sem medo de de um dia para o outro perderem o seu trabalho, só porque o patrão resolveu dizer-lhe que passava a ser considerado um inadaptado, e ficarem na pobreza, sem capacidade de educarem e alimentarem a sua família.