Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

Concorrer às Eleições Autarquicas, Sim ou Não?

16.06.08, uon

Estamos a cerca de um ano das eleições autarquicas é necessário fazer um balanço final do que foi feito pelos partidos que dominam as autarquias:Câmaras, Assembleias e Juntas de Freguesia.

O balanço positivo resume-se mais algumas estradas, habitações, jardins, festa aqui e ali.

O balanço negativo é que as cidades encontra-se despovoadas e emparedadas e com muitas habitações nos grandes centros totalmente devolutos e sem vida.

Alguns prédios são demolidos e só são aproveitadas as fachadas quando é possível dado o grau de degradação dos prédios, para escritórios para grandes empresas, bancos multinacionais.

As grandes fábricas de antigamente são retalhadas dando lugar a grandes empreendimentos urbanísticos com fins especulativos.

As populações são expulsas dos grandes centros e vão para a periferia das cidades, dando lugar a novos empreendimentos com betão armado e novas estradas e sem qualquer vida retirando área agricola e rural,  para aéria urbana.

Neste panorama negro, os partidos existentes tem culpas no cartório e já se rotativizaram nas autarquias e a política é a mesma com caras diferentes.

As autarquias são dotadas de muito dinheiro do orçamento de Estado e de impostos e taxas que é desperdiçado em proveito de alguns, sendo as populações pouco beneficiadas com esses dinheiros.

Como todos os partidos já se rotativizaram nas autarquias e o resultado é negativo, cabe apresentar um projecto novo autogestionário e de solidariedade pouco conhecido das populações e que seria um embrião de uma nova vida libertária aonde for possivel e para isso é necessário apresentar listas de cidadãos independentes a freguesias e se possivel a câmaras.

Esta proposta é bastante polémica para os meios libertários, mas bastante viável se cada libertário conseguir apresentar essa lista e fazer o que faz nos ateneus libertários que não é muito diferente das juntas ou câmaras.