Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

Deficientes:100 mil sem apoio

10.09.08, uon
(JN)
 
Mais de 100 mil alunos com necessidades especiais estão sem qualquer apoio pedagógico, situação que em muitos casos acarreta «graves problemas de insucesso escolar», segundo o professor catedrático da Universidade do Minho, Miranda Correia.

O Coordenador da Área de Educação Especial da Universidade do Minho considera que o Ministério da Educação apresenta uma estimativa demasiado baixa sobre os alunos com necessidades especiais que estão sem qualquer apoio pedagógico.

Para o ME, as crianças com necessidades especiais «rondam os 1,8 por cento, um número totalmente abaixo de qualquer estudo internacional», adianta Miranda Correia, que defende situarem-se entre os oito e os 12 por cento os alunos que têm dificuldades de aprendizagem específicas.

Para o especialista, aquela diferença representa que mais de 100 mil alunos estejam fora das contabilidades e apoios do Ministério.

«Entre 100 a 150 mil alunos com necessidades educativas especiais estão sem apoio, sendo que metade diz respeito a dificuldades de aprendizagem específica, como a dislexia», considera.

O professor catedrático da Universidade do Minho, Miranda Correia, alerta ainda para o perigo de estas situações acarretarem «graves problemas de insucesso escolar».

 

 

comentário:

 

Se o Estado através do governo tira o que pode tirar aos país dos deficientes e aos pais dos filhos que felizmente são sãos, o que é que pode esperar.

Se o governo faz leis que as Câmaras não cumprem para retirar  as barreiras arquitectónicas das cidades, como pilaretes, paineis de publicidade, etc que proliferam por todas as cidades e impedem o normal andamento dos deficientes motores, cegos e com falta de moblidade.

Não admira que cerca de 100 mil deficientes estejam em dificuldades escolares e não tenham apoio, por que o governo esta apostado em retirar todos os apoios para quando chegar as eleíções apresentar o défice público como a sua grande meta, mas á custa de quem trabalha dos deficiente e de todos nós.