Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

Ponte de Lima:Dois mortos em acidente de trabalho

11.09.08, uon

(JN)

 

Um desprendimento de pedras, em Arcozelo, Ponte de Lima, roubou, ontem, a vida a dois trabalhadores. A somar à tragédia de Braga e a acidentes ocorridos, quarta-feira, em Baião e Moncorvo, são já sete os mortos em três dias.

Dois mortos é o resultado de um desprendimento de terra e pedras, ocorrido ontem à tarde, numa pedreira de Arcozelo, em Ponte de Lima, município que, pouco depois, sepultava duas das vítimas de semelhante sinistro, ocorrido na passada segunda-feira, no coração da cidade de Braga. Verificado pouco depois das 15 horas, o acidente terá ficado a dever-se a movimentos de uma máquina, no local (situado no cume da serra de Santo Ovídio), de nada valendo as tentativas de reanimação levadas a efeito pelas equipas de salvamento. Os dois trabalhadores, de 50 e 53 anos, terão tido morte imediata.

De acordo com o comandante dos bombeiros concelhios, Carlos Lima, quando os "Soldados da Paz" chegaram ao local, as vítimas haviam já sido removidas, encontrando-se, segundo disse, "em paragem cárdio-respiratória e sem sinais de vida".

Foi tentada a reanimação até à chegada da equipa da Viatura Médica de Emergência de Viana do Castelo. "Mas, infelizmente, nada já havia a fazer, tendo o clínico da VMER declarado o óbito dos dois trabalhadores", assinalou, indicando que os corpos foram, depois, conduzidos ao Gabinete de Medicina Legal do Centro Hospitalar do Alto Minho, para realização de autópsia.

À hora de fecho desta edição, permanecia, contudo, por esclarecer as circunstâncias em que se verificou o acidente, ocorrência que irritou de sobremaneira muitos dos trabalhadores da localidade, que apresenta uma das maiores concentrações de pedreiras do Norte do país.

Escusando-se a pronunciar-se sobre as eventuais causas do sinistro, o director regional do Norte da Autoridade para as Condições no Trabalho (ACT), Luís Castro, anunciou, ontem, a abertura de um inquérito, para esclarecer as causas do acidente e apurar eventuais responsabilidades. "Apenas o inquérito é que dirá se a empresa tinha um plano de segurança e se os trabalhadores tinham a devida formação", disse o responsável, observando que "há, ainda, muito a fazer no país no que concerne à prevenção de acidentes de trabalho, tanto ao nível dos empresários como, também, dos trabalhadores. É um esforço necessário".

 

Comentário:

 

Numa semana morreram cinco trabalhadores em acidentes de trabalho em Braga e agora Ponte de Lima,

Os acidentes de trabalho atingiram contornos nunca vistos e acontecem sempre aos mesmo que laboram nas piores condições de trabalho com são a contrução civil e as pedreiras, sempre com o risco desabamento de prédios em mau estado de conservação e na pedreiras o risco de pedras se desprenderem das montanhas e atingirem os trabalhadores.

Alguém tem de ser responsável por estes acidentes com mortes e as entidades patronais e as autoridades de fiscalização das obras não estão virgens nestas fatalidades.