Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Revolta da Madeira

por uon, em 04.04.07
Retirado do Portugal Diário
Por Bruno 
2007-04-04 12:53
"Os Portugueses poderiam ser dispensados de viver 48 anos vergados a um regime fascista se tivesse triunfado a batalha que aqueles militares e centenas de civis ilhéus travaram, lado a lado com as tropas chegadas de Lisboa com a missão de reprimir a população insular mas que rapidamente se puseram ao lado dela.

O apoio dos madeirenses à Revolta da Madeira, que passa hoje pelo seu 76.º aniversário, foi mais do que natural. Dois meses antes, em princípios de Fevereiro, haviam ocorrido os graves acontecimentos da Revolta da Farinha. Com a Madeira na miséria decorrente do crash de 1929. Abandonada por um Governo que não esboçara a menor intenção de ajudar. Obrigada a pagar o pão mais caro porque, ainda por decisão suprema de Lisboa, a importação de farinhas passava a ser proibida, em benefício de um monopólio na moagem - era o 'decreto da fome' em acção.

Neste contexto, o povo revoltou-se, decretou greve geral, multiplicou as manifestações, intensificou as lutas contra as forças da ordem Foi quando o governo Salazar/Carmona/Domingos Oliveira despachou para o Funchal um Delegado, Silva Leal, que, em vez de tratar da pacificação na ilha, optou por castigar sadicamente quem andara a lutar pelos seus direitos. Daí as prisões, perseguições e deportações para os Açores e Cabo Verde. Assim que despontava navio no horizonte, os implicados que estavam a tempo corriam a escapar-se de Leal e seus esbirros.

Os oficiais que vieram com Silva Leal para repor a ordem na Madeira, não precisaram de muito tempo para verificar de que lado estava a razão.

Mas, 28 dias depois da eclosão do movimento, as tropas expedicionárias salazaristas estavam à frente do Funchal, já com a declaração da rendição pelos chefes da Junta rebelde, muitos madeirenses, entre militares e civis, estavam com a consciência do dever cumprido: tudo haviam feito pela implantação de um regime democrático em Portugal que reconhecesse os direitos do povo da Madeira.




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:08




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D