Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

Guiné Conakri:golpe de Estado palaciano

23.12.08, uon

No início de 2007, grandes manifestações populares hostis ao regime e aos predadores da economia nacional foram reprimidos violentamente (Publico)

 

Golpe de Estado palaciano na Guiné Conacri, em virtude da morte do presidente esta madrugada.

Um capitão do exército aproveitou e pôs as tropas nas ruas. e disse:

“A partir de hoje, a Constituição está suspensa, bem como toda a actividade política e sindical”, declarou o capitão Moussa Dadis Camara aos microfones da Rádio Conacri.

Acaba uma ditadura começa outra se calhar mais sangrenta e reaccionária.

Este país governado com mão-de-ferro e em ditadura por um general reprimiu o povo durante 24 anos de governo.

Este país de África é detentor de uma enorme riqueza de subsolo enquanto o povo jaz na miséria.

O ano passado uma revolta popular contra o governo e foi reprimida deixando centenas de mortos e feridos.

Um leitor do "Público" comentando esta notícia disse " prefiro os ditadores africanos transparentes assumidos, que certos democratas europeus opacos que são marionetes nas maos dos maçons fazendo leis á sua medida acabam por ser piores que os piores ditadores".apoiado.

 

Função Pública:sindicatos rejeitam proposta do governo

22.12.08, uon

Governo e sindicatos voltam à mesa para nova ronda de negociações para os aumentos de salários da Função Pública.

A FESAP/UGT rejeitou a proposta inical do governo de 3% do governo que se encontra inflexivel na mesma proposta desde o inicio.

Aliás este governo tem dado mostras da sua obstinação e da sua inflexibilidade que é patente com os professores e também agora com os funcionários públicos que sido os grandes bombos da corte do governo.

Esperamos que os sindicatos não assinem nem que os funcionários públicos não recebam aumentos este ano, porque, assim o governo ficaria ainda mais rico para dar dinheiro aos bancos, a multinacionais e funcionários públicos que necessitem.

O governo precisa pelo menos de uma assinatura para mandar para Belém e nos anos transactos tem sido a UGT a dar o aval ao governo, esperamos que este ano o FESAP/UGT não assine, mas se calhar os sindicatos da CGTP iam fazer esse frete ao governo, para que os trabalhadores não ficassem sem aumento, por volta na volta a CGTP também assina, por a UGT já o fez.

Desde que começou as negociações com os sindicatos que os FP já perderam mais de 50% do ordenado, para não dizer um ordenado inteiro, por que aos longo do tempo os governo tem poupado bastante dinheiro com os trabalhadores do Estado.

Os aumentos deviam ser negociados por um prazo de 3 anos com um acordo anual sério e de acordo com a inflação verificada no ano anterior e escosava-se andar nesta onda de todos os  anos, disporem dos trabalhadores com greves que são ajudas ao governo e estão fartos destas negociações que nunca dão nada.

Só um aumento de 50 euros seria  credível  e para fazer face à perda dos anos anteriores e por isso damos parecer negativo a estes aumentos percentuais em que quem ganha menosrecebe menos e quem ganha mais recebe mais.

 

  

 

Lisboa:Manif. pela Grécia

21.12.08, uon

Cerca de cem pessoas juntaram--se ontem na praça da Figueira, em Lisboa, em solidariedade com o movimento grego convocado por SMS no âmbito do Dia de Acção Internacional, respondendo assim ao apelo da Assembleia de Ocupantes da Universidade Politécnica de Atenas.
Com cartazes a dizer "Cá como na Grécia, guerra social"; "Somos todos gregos" e "Impõem-nos a vossa crise, respondemos com a nossa revolta", os manifestantes gritaram palavras de ordem enquanto percorriam ruas da Baixa Pombalina até à praça do Comércio.

Apesar de a manifestação não ter sido autorizada, a polícia não interveio.

Segundo a Rede Libertária os manifestantes queixam-se dos jornalistas lhes tirarem fotografias que podem ser entregues à  polícia e comecarem a vigiarem os manifestantes.

Nesta democracia cada vez musculada o governo quer objectivamente controlar-nos a todos e em particular a aqueles que dão a cara para que isto mude alguma coisa, já que com este regime acentua-se o caracter fascizante do governo e o seu braço armado as forças de (in)segurança que tudo fazem  para controlar uma revolta popular contra o sistema social vigente.

governo empresta dinheiro a funcionários

20.12.08, uon

O governos através do Banco Estado vai proporcionar um empréstimo aos funcionários públicos que estão em dificuldades financeiras para a casa e outras coisa mais.

O (s) governo (s) ao longo deste anos todos têm retirado o que podem e o que não podem aos trabalhadores do Estado e agora sabe que poderá haver muitos trabalhadores em dificuldades como os que estão na Mobilidade que recebem menos um terço ou mais no ordenado, vem agora com "ajudas".

Resta saber se o empréstimo terá juros no final, e concerteza terá, porque o governo não dá ponto sem nó.

Próximo das eleições o governo prepara a rede para caçar votos a muitos funcionários que aceitem um rebuçadinho que não tem pés nem cabeça, mas quem pensar um bocadinho, vê que este emprestimo é uma fantochada.

 

Câmara de Lisboa:trabalhadores do lixo suspendem greve

19.12.08, uon

(CM)

 

Os trabalhadores da limpeza urbana da Câmara de Lisboa decidiram esta sexta-feira não avançar com a greve marcada para o final do mês, depois de António Costa ter garantido que não privatizará os serviços.
Depois de uma discussão muito responsável, os trabalhadores mostraram aqui um grande espírito e face àquilo que foram as garantias já dadas pelo presidente da Câmara, nós não vemos razão para manter o pré-aviso de greve”, disse o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa (STML), Joaquim Jorge, após um plenário no Mercado da Ribeira.

“Os cantoneiros da limpeza por unanimidade ratificaram a retirada do pré-aviso de greve”, acrescentou o sindicalista.

Na reunião de segunda-feira, o presidente da autarquia deu a garantia de “não avançar para votação em sessão de Câmara nenhum processo de concessão ou adjudicação de nenhuma área de limpeza sem a apresentação desse estudo aos sindicatos e com a responsabilidade de os mesmos em 60 dias se pronunciarem sobre o documento”.

Joaquim Jorge sublinhou que “há também o compromisso significativo” da parte da Câmara de “colocar mais homens e melhorar as condições de trabalho e os meios materiais do departamento de Higiene Urbana”.

Constâncio monta BMW de 66 mil euros

19.12.08, uon

Segundo o CM o governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, tem um novo carro de serviço.

Depois de cinco anos ao volante de um BMW, que já apresentava alguns problemas ao nível do motor, o contrato de leasing obrigou o governador a trocar de viatura. O novo carro de Constâncio é um BMW 525d, com um preço-base na ordem dos 66 mil euros.

Para Constancio a crise não existe, para andar montado no BMW último modelo pago com os impostos de todos nós.

Enquanto os trabalhadores são confrontados com a "crise" todos os dias, por que os magros salários que recebem não dá para viver os senhores do poder gastam e gozam a conta do zó povinho.

 

 

Grécia:"sindicalistas" tentam recuperar sindicato

19.12.08, uon

A situação na ocupação da sede da GSEE (Confederação Geral de Trabalhadores da Grécia) em Atenas, é tensa. Há poucas horas um grupo de 100 sindicalistas a mando do Partido Comunista Grego (Kommounistiko Komma Elladas - KKE) e do direitista Nea Dimokratia (Nova Democracia - NA), tentaram recuperar o edifício a força. Mas foram rechaçados pelos companheiros que estão mobilizados na ocupação, com a ajuda de anarquistas da Universidade Ocupada de ASSOE, que chegaram para apoiá-los cantando lemas de solidariedade..
A tradução da faixa colada na fachada do edifício (foto em anexo), diz:
Desde os acidentes de trabalho, até os assassinatos a sangre frio.
Estado e Capital Assassinam.
Liberdade sem cargos para todos os rebeldes detidos.
Greve Geral.
A auto-rganização dos trabalhadores será o túmulo de todos os amos.
Assembléia Geral de Trabalhadores Insurgentes.

Grécia:sindicato traidor ocupado

19.12.08, uon

 


Sindicato pelego grego é ocupado
A sede da GSEE em Atenas está ocupada desde às 8 horas da manhã
Desde às 8 horas da manhã de hoje (17), trabalhadores de base ocuparam a sede da poderosa e pelega GSEE (Confederação Geral de Trabalhadores da Grécia) em Atenas. Os ocupantes explicaram que "é o momento de acabar com a mediação dos sindicatos amarelos que não representam ninguém. Acabemos com a mentira mediática dos 50 mascarados, a revolta continua viva".
Eles ainda declararam que a sede da GSEE foi transformada em "Espaço Liberado de todos os trabalhadores do país", e que hoje acontecerá uma assembleia aberta a partir das 18h.
Este é o comunicado emitido pelos ocupantes:
Ou decidimos nossa história ou deixamos que eles decidam por nós.
Nós, trabalhadores braçais, empregados, desempregados, temporários, locais ou imigrantes, não somos passivos telespectadores. Desde o assassinato de Alexandros Grigoropoulos na noite do último sábado (6), nós participamos nas manifestações, nos confrontos com a polícia, nas ocupações do centro e dos bairros. Diversas vezes tivemos que deixar o trabalho e nossas obrigações diárias para tomar às ruas com os estudantes, os universitários e os outros proletários em luta.
Temos decidido ocupar a sede da GSEE:
- Para tornar-se um espaço de expressão livre e um ponto de encontro para os trabalhadores.
- Para desmentir a falácia estendida pelos meios de comunicação que nos coloca, os trabalhadores, à margem dos enfrentamentos, e que define a fúria destes dias como questão de alguns 500 "encapuzados", "hooligans" ou qualquer outra história, enquanto as telas de televisão nos apresentam como vítimas do enfrentamento, enquanto a crise capitalista na Grécia e em toda parte do mundo dá origem a incontáveis demissões de trabalhadores que os meios de comunicação e seus executivos tratam como um "fenômeno natural".
- Para destroçar e revelar o papel da burocracia sindical no momento de subestimar a insurreição, e não só aí. O GSEE e todo o mecanismo sindical que o apoiou durante décadas e décadas, subestima as lutas, negocia nossa mão-de-obra por migalhas e perpetua o sistema de exploração e escravidão assalariada. A posição do GSEE na passada quarta-feira foi bastante reveladora: o GSEE cancelou a manifestação de trabalhadores que foi programada, desistindo da organização de uma pequena reunião na praça Syntagma, garantido desta maneira que as pessoas fossem embora o quanto antes da praça, já que tinham medo que os trabalhadores fossem infectados pelo vírus da rebelião.
- Para abrir este espaço pela primeira vez -como uma continuação da abertura social gerada pela rebelião em si- um espaço construído com nossas contribuições, e de que fomos excluídos. Durante todos estes anos nós confiamos nossos destinos em salvadores de todas as pelagens, e acabamos perdendo nossa dignidade. Como trabalhadores devemos começar a assumir nossas responsabilidades, e deixar de ceder nossas esperanças a bons líderes ou representantes "eleitos". Devemos fazer-nos com a nossa própria voz, encontrar-nos e reunirmo-nos, articular, decidir, e agir. Contra o ataque generalizado que sofremos. A criação de resistências coletivas "de base" é o único caminho.
- Para espalhar a idéia de auto-organização e a solidariedade nos postos de trabalho, nos comitês de luta e as práticas coletivas desde baixo, abolindo os burocratas sindicais.
- Todos estes anos nós engolimos a miséria, a complacência, a violência no trabalho. Fomos acostumados a contar os incapacitados e os nossos mortos -no mal chamado "acidentes de trabalho. Acabamo-nos sendo acostumados a olhar o outro lado ante da morte dos imigrantes -nosso companheiros de classe-. Estamos cansados de viver com a ansiedade de ter que garantir um salário, algumas rendas, e uma pensão que agora parece um sonho distante.
Igualmente lutamos para não abandonar nossas vidas nas mãos dos chefes e dos representantes sindicais, da mesma maneira, nós, não abandonaremos os rebeldes detidos nas mãos do Estado e do sistema jurídico.
Imediata libertação sem cargas dos detidos e auto-organização dos trabalhadores!
Greve Geral!
Assembléia de Trabalhadores do Edifício "Liberado" da GSEE
Quarta-feira, 17 de dezembro de 2008, às 18 horas
Assembléia Geral de Trabalhadores Insurgentes
Agência de Noticias Anarquista

A Grécia e os partidos de esquerda

18.12.08, uon

Enquanto estudantes operários e trabalhadores dão o corpo ao manifesto na Grécia perante um aparelho repressivo estatal pronto a defender os interesses da burguesia grega, em Portugal os principais partidos de esquerda não se vislumbra uma palavra de apoio aos revoltosos gregos.

Será que o Bloco e o PCP não tem nada a dizer áquele movimento que progride e já está a movimentar sectores do povo e dos trabalhadores gregos que são espezinhados pelo governo grego.

Áquele movimento não são só anarquistas devem andar por lá também militantes comunistas e extrema-esquerda metidos nos barulho em confrontações com a polícia.

Como é evidente tem sido os anarquistas que se têm confrontado com as policias em todo o mundo.

Os partidos de esquerda estão muito apegados ao cadeirões do regime e não levantam o cú para combaterem a burguesia nas ruas.

 

Depoimentos sobre a grécia

18.12.08, uon

Público-José Setúbal

 

Regressei da Grécia há poucos dias, digo-vos, o ambiente de insurreição é próprio de revolução popular. Ouve-se as pessoas a discutir politica na rua, a discutir o que se deve fazer do movimento; existem plenários populares nos teatros; as universidades estão completamente ocupadas por faixas e estudantes; os operários ocuparam as fábricas e apelam a uma auto-gestão das mesmas; o serviço nacional de saúde recentemente privatizado é atacado por tudo e todos. Algo semelhante a isto só em 68, mas em Paris. Tenho muita pena, que os jornalistas nao estejam a fazer uma cobertura séria sobre este acontecimento.

 

Público-lixado

 

A comunicação social não dá grande destaque a estes acontecimentos porque não interessa empolar mais os ânimos que se têm vindo a levantar contra as políticas dos governos desta UE que protegem e apoiam os ricos, mas sugam os pobres até â exaustão, com políticas que têm vindo a acentuar as desigualdades entre ricos e pobres! É este o caminho que se pretende para esta UE? Se tudo continuar neste rumo, só mesmo com muita polícia de choque, manipulação, futebol e esmolas é que se vai conseguir controlar os cidadãos, se for isso que se pretende, o que duvido! Tudo indica que o governo Grego, está a controlar as coisas para que a opinião pública se lance contra os manifestantes e está a conseguir! Estes actos de vandalismo são a reacção incontrolável de alguns revoltados com as políticas sociais anti-democráticas praticadas um pouco por toda a UE! Se a comunicação social fizesse um trabalho isento, já por toda a UE se teriam levantado tumultos semelhantes para exigir o fim desta acção consertada dos governos de extinguir a classe média. Esta é a 3ª guerra mundial!! Dos pobres e excluídos contra os senhores que querem escravizar e liquidar, literalmente, 4/5 da população mundial!!