Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



NOSSOS MOTIVOS PARA LUTAR AINDA SÃO OS MESMOS

Chicago 1886,em uma das cidades mais industrializadas do mundo.Os operários trabalhavam 16/18 horas por dias e viviam em completa miséria enquanto as elites gozavam dos avanços e do luxo da modernidade.
Tal situação revoltava a classe trabalhadora,especialmente os anarquistas que fundavam jornais e trabalhavam pela organização do operariado.
Estes recusavam a ideia de governo, acreditando que o fim do sistema de exploração capitalistas viria somente através do esforço do próprio proletariado em se organizar.
No dia 1° de maio,anarquistas chamam uma greve geral que é amplamente acolhida pelo operariado.No quarto dia da greve geral trabalhadores de Chicago convocam um comício para protestar contra as chacinas que vinham ocorrendo contra grevistas.
Quando o comício estava perto do fim,a polícia invade violentamente o local e uma bomba explode ferindo e matando tanto trabalhadores como policiais.
Se aproveitando da situação o estado acusa anarquistas que discursavam de terem conspirado e explodido aquela bomba.
Mesmo sem nada provar, o estado enforca Parsons,Fischer,Spies e Engel. Recusando-se a entregar seu corpo ao  estado Lingg comete suicídio na prisão.Neebe,Fielden e Schwab permanecem presos até que anos depois foram libertados,ocasião em que o estado reconhece ter sido aquele o maior erro jurídico da história dos EUA.
Após os acontecimentos de Chicago ,a ideia de greve geral pela conquista das 8 horas se espalha por todo o mundo.
O 1° de maio tornou-se então um dia de protesto e luto contra a exploração,e os anarquistas enforcados conhecidos como os mártires de Chicago,simbolo de luta e da violência do estado e das elites.
(*)

   "Sou inimigo da ordem atual e vou combate-la com todas as minhas forças enquanto eu respirar.Eu desprezo vocês,suas leis e sua autoridade baseada na força.








"Governo é para escravos,homens livres de governam.Que a voz do povo seja ouvida"

Hoje nossos motivos para lutar ainda são os mesmos,conquistamos as 8 horas mas este direito vem sendo desrespeitado como também vemos a corrosão total de outros direitos pela ação do estado,patronais e sindicalismo oficial.
Chamamos para a luta,para a manifestação de 1° de maio combatendo a situação atual e tendo os exemplos de luta do passado de conquistas de nossa gente,nossa defesa e emancipação se faz nos sindicatos,mas não estes sindicatos que fazem festas de 1° de maio.
A luta se faz em sindicatos de trabalhadores,sem liberados pagos para não trabalhar.
Todos devem estar em pé,jovens que tem seus direitos desrespeitados nas chamadas oportunidades de primeiro emprego,operários em condições precárias e com contracheques pequenos em remuneração mas grandes em descontos e aposentados vitimados pela aposentadoria miserável paga a nossos trabalhadores em idade de descanso.
Vamos as ruas,vamos a luta autogerindo nossas lutas e reivindicações em um sindicato horizontal,sem partidos,sem políticos e sem patrões.
Chamado geral para manifestação as 9 horas da manhã na praça da estação em Araxá,o tradicional 1° de maio que não se parece em nada com o sindicalismo fantoche das centrais sindicais.
Somos a COB/AIT a sua ferramenta de luta por bem estar e liberdade.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:24

Capturar

Legenda: A árvore sêca e mirrada, corta-se e lança-se ao fogo. O sol da Redempção fecundará a semente nova… (ilustração do jornal “A Comuna”, de 1/5/1920)

Amanhã,  1º de Maio, muitos anarquistas, mais uma vez, vão sair à rua por todo o país, em manifestações próprias ou juntando-se a manifestações convocadas por outros colectivos ou por outras associações de trabalhadores. Seja como for, este é um dia de luta e de afirmação revolucionária, em homenagem também aos anarquistas mortos em Chicago às mãos do Estado. Nos últimos anos, Setúbal tem sido o ponto de concentração, neste dia,  para muitos libertários e anti-autoritários fazendo da cidade do Sado, no 1º de Maio, um espaço de luta e de combate ao capitalismo. Também este ano sê-lo-á, por certo. Mas seja onde quer que estejamos o importante é manifestarmos a nossa indignação e mostrarmos que é possível outra sociedade mais justa e igualitária.

Os últimos dados económicos, o chumbo  pelo Tribunal Constitucional de alguns medidas que constavam do Orçamento de Estado e a sua substituição por cortes nos diversos sectores, mas sobretudo na Educação, Saúde e Apoios Sociais fazem prever um acentuar das dificuldades económicos dos mais pobres que, ao fim de muitos meses seguidos a apertarem os cintos e com cortes sucessivos nos seus rendimentos, se encontram totalmente debilitados economicamente e sem alternativas a não ser a de se manterem actuantes, organizados e firmes na resistência à ofensiva conjunta do Estado e do patronato.

A austeridade tem levado a um crescendo no desemprego e na precariedade que atinge já a generalidade dos trabalhadores portugueses . O desemprego real ultrapassa já os 20 por cento e o número de desempregados, sem qualquer apoio social, não pára de aumentar.

Enquanto este drama alastra a grandes sectores da sociedade portuguesa, os partidos políticos mantém-se entretidos com as eleições autárquicas, previstas para depois do Verão, divulgando candidatos e programas que são sempre mais do mesmo – uma perfeita inutilidade, na sua grande maioria, trocando as aspirações populares de bem estar e felicidade por lugares a troco de favores políticos, corrupção e nepotismo.

Se isso não bastasse, os partidos da esquerda do sistema, o PCP e BE e alguns sectores do PS parecem possuídos de uma maleita e  a única solução que vêm para a “crise” é a demissão do governo e a convocação de eleições. Enredados nesta jiga-joga eleitoralista, num discurso bloqueado e sem saída, PCP, BE e alguns movimentos a eles ligados, como o Que se Lixe a Troika, fazem o jogo do PS que já se apressa para voltar ao poder – seja agora, ou em 2015, quando estão previstas as próximas eleições para o Parlamento.

Apesar do pouco peso eleitoral de que dispõem na sociedade, PCP e BE, mas sobretudo os comunistas , enredados num discurso patrioteiro e nacionalista, com poucas diferenças do discurso da extrema-direita quanto à defesa da “independência nacional”, mantêm ainda zonas de influência importantes no  movimento sindical, paralisando-o e esgotando a sua capacidade de luta em pequenos arremedos, como o são as manifestações constantes sem objectivo, só para  mostrarem que estão “vivos”, e as greves de um dia ou algumas horas,  que apenas desgastam os trabalhadores e não lhes trazem qualquer tipo de vantagem.

Perante este cenário – e sendo o movimento libertário e anti-autoritário ainda minoritário em Portugal – urge concentrar esforços na criação de  espaços onde a luta seja mais radicalizada, criativa e onde se possam obter ganhos visíveis: criar comités contra os despejos; avançar com ocupações seja de espaços colectivos ou individuais; incentivar greves selvagens e actos sucessivos de desobediência civil; etc..

Só ousando novas formas de luta e mostrando que através da acção directa, da autogestão das lutas e do apoio-mútuo é possível vencer, poderemos criar as condições para voltar a pôr o anarco-sindicalismo  e a organização anarquista dos trabalhadores na ordem do dia.

Por um 1º de Maio libertário e emancipador!

Não às manifestações de faz de conta !

R.T (Colectivo Libertário de Évora)

 

http://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2013/04/30/por-um-1o-de-maio-de-luta-e-combate/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:58

1º Maio em 1977

por uon, em 30.04.13

Capturar

 

http://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2013/04/29/memoria-libertaria-convocatoria-para-o-1o-de-maio-anarquista-de-1977-em-lisboa/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:52

1º Maio Setubal

por uon, em 27.04.13



Não comemoramos a escravatura do trabalho.
Trabalhamos para combater a escravatura.

 

http://ait-sp.blogspot.pt/2013/04/1-de-maio-anti-autoritario-e-anti.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:15

Jornada de acção da AIt no Porto

por uon, em 27.04.13

30 de Abril na Terra Viva!A.E.S, Rua dos Caldeireiros ,213 -Porto (à Cordoaria)
19.30 -Jantar Benefit de solidariedade com o SOV-Porto /AIT-Sp (com marcação prévia até às 15.00 do dia 30 de Abril através do  sovaitporto@gmail.com ou 967694816/ 961449268)
21.00 - Discussão aberta e debate sobre as "Possíveis reivindicações atuais Anarco-sindicalistas


1 de Maio
10.30 -Trilha da Memória Libertária (e do movimento operário) do Porto.
Encontro em frente à porta principal do Instituto de Fotografia, na Cordoaria /Campo dos Mártires da Pátria
15.30-Bancas libertárias e canções operárias libertárias na Praça G. Humberto Delgado(junto à C.Municipal Porto)
17.00-Performance contra a Gatunagem Governamental e Patronal

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:08

1º Maio Barcelona

por uon, em 27.04.13

 

 

http://www.nodo50.org/cntcatalunya/joomla/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

Anarquia no dia 25 de abril

por uon, em 27.04.13

anarquia

 

foto Paula Godinho

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:58

cnew036001

 

http://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2013/04/23/uma-cidade-sem-muros-nem-ameias-comemorar-o-25-de-abril-em-nome-da-utopia/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:37

Descoberto novo BPN

por uon, em 23.04.13

Produtos tóxicos que dependiam de variáveis como a cotação do petróleo foram encontrados na Metro do Porto, STCP, Metro de Lisboa e Carris.

Esta é mais uma das pérolas do boys do governo quando estavam em lugares destaque em diversas empresas de transportes antes de irem para o governo.

A ânsia de jogar na bolsa a todo o custo para obter dividendos financeiros a qualquer preço e de risco, levou que as empresas perdessem milhões e claro está quem ganhou foram os bancos e que perdeu foram as empresas de transportes e os pagadores de impostos.

A pretexto deste descalabro financeiro tipo BPN os secretários de estado demitiram-se e saíram do governo.

É preciso apurar responsabilidades se é que há justiça neste país por que nisso há muitas dúvidas.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:02

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04

Pág. 1/5




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D