Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

mandar este regime político, com a dívida, pelo cano abaixo.

20.05.13, uon

Quando a Dívida aumenta, a Democracia encolhe (1)

 

Eles,

para utilizarem a dívida como instrumento do nosso empobrecimento precisam de sequestrar a democracia.

 

Nós,

para nos libertarmos, temos de mandar este regime político, com a dívida, pelo cano abaixo.


Sumário

 

1  - A dívida e as abordagens institucionais

2        Quatro elementos de ordem sistémica

 

Os desequilíbrios geopolíticos

A financiarização e o predomínio do capital financeiro global

As agendas próprias dos capitalismos nacionais

As caricaturas de democracia política

 

3 - A formação da dívida em Portugal

 

Texto em qualquer das seguintes ligações:

http://grazia-tanta.blogspot.pt/2013/05/quando-divida-aumenta-democracia.html

http://pt.scribd.com/doc/142034877/Quando-a-Divida-aumenta-a-Democracia-encolhe-1-

http://www.slideshare.net/durgarrai/quando-a-dvida-aumenta-a-democracia-encolhe-1



Descontos dos trabalhadores geridos pelos próprios

17.05.13, uon

Isto não é fusão é roubo!!


O dinheiro que se desconta para a SS nada tem a ver com impostos; nem é dinheiro público. É dos trabalhadores portugueses e não do Estado


Isto é a mesma coisa que o Estado se assenhorear do teu saldo bancário


Isto resulta de décadas de silêncio de partidos e sindicatos; de nunca terem colocado a questão da não inclusão da SS na consolidação das contas públicas.


Se isto acontecer é a consumação de uma estratégia de roubo que vem a ser montada há muitos anos




 

Os dinheiros descontados pelos trabalhadores deviam de ser geridos pelos próprio trabalhadores e nunca pelo Estado.

Talvez os sindicatos fossem a entidade gestora por são eles a quem recorrem quando tem tem problemas laborais.

Mas os sindicatos CGTP/UGT que temos também não são credíveis para guardar os dinheiros dos trabalhadores por que estão estão muito perto da tutela do Estado e fazem acordos com o mesmo.

O Estado apodera-se dos descontos e faz deles o que bem entende sem dar cavaco aos verdadeiros fornecedores dos descontos os trabalhadores.

 

 

 

 

 

 

AIT/PORTO SESSÃO DE INFORMAÇÃO: ANARCO-SINDICALISMO – O QUE É…

16.05.13, uon

         SESSÃO DE INFORMAÇÃO
                         ANARCO-SINDICALISMO – O QUE É…

 

 


 18 de MAIO, sábado 15.30h na associação TERRA VIVA!AES -Rua dos Caldeireiros, 213 Porto –à Cordoaria–   (ENTRADA LIVRE)  
. Atualidade – AIT/IWA e Secções filiadas dos vários países –O QUE FAZEMOS?!
. AIT-SP , princípios, objetivos, métodos, atividade atual – QUEM pode fazer parte…
. História –  no Porto, em Portugal e no mundo .UON,  CGT e AIT
Possível alternativa ao “sindicalismo” de concertação social e de colaboração com o patronato e com o Estado, rejeitando subsídios estatais e profissionais do “sindicalismo” vivendo à custa das quotas dos trabalhadores, recusando tutelas de partidos e “representações” parlamentares ou outras, o ANARCO-SINDICALISMO tem como princípios
.A ACÇÃO DIRETA d@s própri@s trabalhadores/as
.A DEMOCRACIA DIRETA ASSEMBLEÁRIA
.ANTICAPITALISMO E O ANTIESTATISMO
. SOLIDARIEDADE e APOIO MÚTUO (“uma ofensa a um/a é uma ofensa a tod@s” )
                                     local, regional, nacional e internacional
Organização internacional e não limitando a sua ação aos locais de trabalho mas alargando-a aos BAIRROS POPULARES, contra o DESEMPREGO, pela HABITAÇÃO CONDIGNA e à SOLIDARIEDADE SOCIAL ATIVA com quem mais precisa, o ANARCO-SINDICALISMO propõe a AUTO-ORGANIZAÇÃO POPULAR E LABORAL como resposta às “austeridades”, à exploração, à “crise” e  aos  políticos aldrabões e gatunos…
   COM OU SEM TRABALHO, PRECÁRIO/A OU NÃO, REFORMAD/A E c/ou s/”RSI”,  
                VEM CONHECER AS NOSSAS PROPOSTAS, ASSOCIA-TE, ATIVA-TE! 

É preciso outra forma de organização

15.05.13, uon

O Bloco levam amanhã à Assembleia dois projectos de lei para garantir "um tratamento igual" das candidaturas dos cidadãos e dos partidos políticos.

E por que não apresentar o projecto para acabar com os partidos que são um factor de divisão e destabilização entre pessoas do mesmo país, que deviam ter os mesmos direitos e deveres e interesses e só por queinseridos nos partidos começam a ser forças para impor projectos austoritários e violência para dividir e reinar para melhor servir os seus interesses pessoais e/ou de grupo.

Tem-se visto que desde 1926 com partido salazarista ou com vários partidos depois do 25 de Abril estamos a caminhar para o abismo e estamos cada vez piores e com os ricos cada vez mais ricos e os pobres mais pobres.

O que é que o povo tem ganho com esta democracia? Nada ou muito pouco.

Por isso é que é necessário criar assembleias locais ao nível de freguesia ou de concelho onde as pessoas possam debater os seus problemas sem necessidade de governos, partidos, forças de segurança e organismos associados.