Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

APAV defende estabelecimentos comerciais

08.01.14, uon

Cerca de metade dos proprietários de estabelecimentos comerciais de rua em Lisboa foi vítima de algum tipo de crime em 2012. De acordo com um inquérito elaborado pela Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) e pela Intercampus e apresentado nesta quarta-feira, 45,7% dos inquiridos foram vítimas de crimes como furtos, insultos, ameaças, vandalismo ou assaltos.

Estão com azar.

Este "sindicato" das vitimas violência doméstica, alargou o seu âmbito de actuação, também defende os proprietários de estabelecimentos comerciais vitimas do atrás citado.

Dantes o seu âmbito de actuação era a violência doméstica entre homens e mulheres.

Eram constantemente incomodados por casais desavindos vitimas da própria sociedade.

Na próxima será para defender os trabalhadores dos despedimentos, repressão psicológica, não pagamento de salários, e exploração laboral  vitimas dos abusos patronais?

 

 

 

Manifesto 3D deita a escada ao BE e Livre

07.01.14, uon

Os promotores do Manifesto 3D vão formalizar, no final desta semana, às direcções do Bloco de Esquerda e da Associação Renovação Comunista, e à comissão instaladora do Livre, a proposta para uma “candidatura convergente e mobilizadora” às eleições europeias de 25 de Maio.

Qualquer destes movimentos (BE LIVRE e 3D, PCP, MAS) ainda não tiveram tempo de mostrar o que valem no aspecto governativo e a forma como governariam 1% do território nacional.

Neste sentido à que dar o beneficio da dúvida, sabendo de antemão a forma como os partidos de Direita ou esquerda governam na base da repressão, politica, económica e social.

O PCP que governa muitas autarquias já dão um sinal. 

Nem são carne nem são peixe, não são muito diferente do PS e da Direita PSD/CDS.

Não se vê nada de diferente a não ser as pessoas.

Autarquias endividadas, construção desregulada ou excessiva para mostrar obra, corrupção, benesses aos amigos e camaradas.

As pessoas por terem uma autarquias do PCP não vivem melhor que as outras do PS/PSD/CDS.

No fundo um governo do PCP não seria muito diferente dos actuais governantes.

A alternativa são as pessoas e tem de saber governa-se a si mesmo.

Ninguém nos pode governar correndo o risco de dar raia como está a dar.

 

 

 

O povo é ingovernavel

06.01.14, uon

As montras de instituições bancárias de Barcelos surgiram, domingo, com inscrições contra o capitalismo e símbolos anarcas pintados. Dois dos bancos, na rua D. Nuno Álvares Pereira tinham pintado, a letras garrafais o símbolo da anarquia e palavras-chave e ordem contra o capitalismo. Este movimento anarca releva "a condição de um povo que deixou de possuir governo". in JN

 

Montras de bancos vandalizadas em Barcelos
 
De facto isto não é um governo. O governo não governa nada. Cada um é que se governa a si próprio.
Para comermos, vestirmos, calçarmos e trabalharmos não precisamos de governo.
De facto o governo não nos governa, só governa 1% do territorio nacional entre S. Bento e Belém.
O que governa o governa são as medidas anti-populares, os roubos no salário sistemáticos aos reformados, funcionários públicos, etc e negócios claros e escuros.
O governo de facto não nos governa por que nós todos somos ingovernáveis.

CARTA ABERTA A CRISTIANO RONALDO

06.01.14, uon
(retirado do facebook)
 
Indira Kaviratna
CARTA ABERTA A CRISTIANO RONALDO

(Cavaco Silva vai condecorar Cristiano Ronaldo, “um símbolo de Portugal” no mundo. Cerimónia decorre na próxima terça-feira no Palácio de Belém » http://bit.ly/19FFRri)

Ser português não significa apenas marcar golos com camisolas ou símbolos. Ser português é amar, é querer estar próximo dos seus, é ser um expoente de humanidade....

Recentemente foste convidado para ser homenageado por alguém que sabes bem o que tem representado para o povo para quem marcas golos, o povo que te exalta, o povo para quem és herói em terras estrangeiras. Aníbal Cavaco Silva.

Esta pessoa que te quer apertar a mão e usar o teu mediatismo para lavar a sua própria imagem, é o mesmo que representa os poderes e as forças que deixam os miudos que querem usar a tua camisola sem escolas, é o mesmo que representa quem desemprega os que festejam os teus golos e para quem jogas, é o mesmo que representa quem empobrece os milhões de velhos que ficam mais novos quando te vêem jogar ou exploram os milhões que nos estádios, nos cafés ou em casa, cantam o hino contigo.

Ninguém te pede para mudares o mundo ou o país, não é essa a tua função ou obrigação ... mas devia ser a tua vontade. Porque és português ... sê-lo com todos os outros também quando não há jogo.

RECUSA RECEBER ESSA CONDECORAÇÃO ...

... terás o aplauso e o carinho de milhões de lares portugueses onde a comunicação social não entra. Essa é a tua condecoração. Esse é o teu melhor golo ... em milhões de lares, Cristiano, simples, pequenos, pobres, anónimos e invisíveis ... como um dia foi o teu.

Vais marcar esse golo, Cristiano ?
De que lado estás tu, capitão ?

Os Portugueses
 

(memória libertária) Miquelina Sardinha (1902-1966), uma anarquista de Avis

06.01.14, uon

Capturar

Devido às fracas condições do meio português, tanto cultural como socialmente, as manifestações da Mulher, no campo libertário, nunca atingiram foros de movimento de sucesso. Nas cidades de Lisboa e Porto conhecemos algumas camaradas que, geralmente, acompanharam o movimento sindical como companheiras de militantes operários, e este ou aquele intelectual, dando-se o mesmo noutras cidades como Setúbal ou Coimbra. Seria difícil, porém, considerar que tal pudesse acontecer em regiões desviadas dos grandes centros, como o Alentejo e outros locais então faltos de comunicações.

Em 11 de Setembro de 1902, nasceu em Avis, Miquelina Maria Possante Sardinha, que teve por pai Manuel dos Santos Sardinha, carpinteiro de carros, profissão que se achava intimamente ligada à agricultura, sofrendo intensamente a exploração dos proprietários e rebelando-se ao lado do povo oprimido. Sardinha era inculto mas dotado de espírito ágil, vivo, e nunca aceitou nem nunca serviu, a não ser como proletário explorado, a sociedade opressora. Sua filha teve pois o berço apropriado onde principiou a enfrentar a vida e a formar-se o seu destino conspirativo.

Ao tempo, estávamos em plena regência franquista, presidida por um rei caçador saudoso do absolutismo dos seus maiores. O protesto, republicano e anarquista, adensava-se nas capitais e chegava mais longe como um eco redentor. Na província pontificavam os padres enfurecidos quando, aqui e ali, passavam os propagandistas fazendo comícios. O Registo Civil lutava então contra a supremacia clerical e todos se submetiam à Igreja para não perder o pão. Mas Sardinha não se submetia. Casou-se pelo registo civil. Impondo-lhe um cacique que fosse votar a seu favor, entrou na Igreja ostentando de braço alto o voto republicano. Cito estes pormenores para mostrar o quanto pode na formação do carácter o berço inicial.

Com o andar dos anos, o espírito do carpinteiro foi evoluindo e quando um dia veio a estabelecer-se na vila de Ponte de Sor o movimento anarquista estava lançado a alargado a todo o país. Sardinha, já como anarquista conhecido no seu meio, tinha a seu lado agora a sua filha, e assim, juntos, e com a simpatia da companheira, é numa sala da sua própria casa que é instalado o Sindicato da Construção Civil, aderente à Federação, onde são recebidos delegados e conferentes, onde é vendida “A Batalha”, “A Comuna” e vão ter os manifestos e proclamações a distribuir. Miquelina Sardinha é a secretária, a escrevente, a oradora. Educada ao contacto de uma professora ilustre, Vitória Pais de Andrade, conhecida combatente liberal, ou talvez melhor, libertária, e que tanto combateu os espectáculos repugnantes das touradas, fez-se professora de ensino livre, e nesta arte, amorosamente aceite, ensinou crianças e adultos, dando mais do que recebia.

Inevitavelmente, foi acusada pelos reaccionários monárquicos, e pelos não menos temíveis republicanos. Proprietários locais, de desviar a educação infantil, tudo comprovado pelo facto iniludível de ser amiga do sistema educativo de Ferrer e, ainda pior, de ter fundado, nada mais nada menos, que um grupo anarquista, e escrever na “Batalha” crónicas denunciadoras contra os atropelos da G.N.R., conhecida então por “guarda pretoriana”. Um dia os reaccionários encerraram-lhe a escola. Era então ministro o poeta João de Barros. Atendeu uma delegação que veio a Lisboa protestar. O poeta, metido na embrulhada estatal, compreendeu, no entanto, a situação e mandou reabrir a escola. Mais tarde foi professora na Escola do Sindicato da Construção Civil, na Calçada do Combro, em Lisboa.

Ligada a um jovem camarada anarquista, Miquelina acompanhou-o, fiel na propaganda, na luta, nas perseguições. Constituiu família. Nunca se submeteu aos preconceitos religiosos. Foi indeclinavelmente ateia. O padre, esse embrião da estúpida erudição religiosa, nunca conseguiu dominá-la. Morreu como viveu: espiritualmente pura, em 27 de Novembro de 1966.

Meridional

Publicado no nº 13, da Revista A Ideia, (Primavera de 1979).

Eusébio só não acabou na míseria por sorte.

06.01.14, uon

Morreu o Eusébio, porque será que todos falam de um parasita ?? O futebol existe para entorpecer as mentalidades e estupidificar as pessoas, torna-las violentas. essa ideia que que o futebol é uma mais valia que traz reputação ao país, é uma ideia completamente descabida sem fundamento e existe essa ideia errada porque o futebol trata-se de uma máfia que dá milhões a muita gente, ou será que vamos exportar pontapés na bola para o estrangeiro ?? A única pátria que um jogador d...e futebol conhece é o dinheiro, com os ordenados escandalosos que todos conhecemos. Pior de tudo desta pobreza humana é que muitos que vivem na miséria, conseguem ser pobres em tudo, na mentalidade e no que toca ás questões financeiras, porque não vêem que enquanto eles dão valor e vivem uma vida de fanatismo pelo futebol, os futebolistas e toda aquela máfia que vive á volta deles, vivem uma vida de luxo, com os ordenados de fazer pouco da miséria que grassa pelo mundo !!! depois ainda dizem que o estúpido sou eu. Quanto a mim foi simplesmente menos um parasita á face da terra !! FACEBOOK

 

Tudo o acima descrito é verdade o futebol é só máfia onde jogadores, dirigentes de clubes e federativos se enchem à custa dos incautos que sofrem da bola.

Quantos parasitas jugam os trabalhadores todos os dias a começar pelo actual governo e capitaneados por Cavaco.

Eusébio foi um menino que não ganhou muito dinheiro, veio de África fazer aquilo que sabia,e dentro do seu ofício foi uma vedeta.

Marcava golos de toda a maneira e feitio.

O políticos do antigamente (fascismo) e do passado presente (democracia) serviram-se dele para os seus objectivos políticos.

Só não acabou na miséria por sorte.

 

 

Reformados do Metro de Lisboa perdem complemento de reforma

04.01.14, uon

Segundo a Renascença mais de 1.400 antigos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa vão perder os complementos de reforma. A suspensão deste pagamento está inscrita no Orçamento do Estado deste ano.

Estamos perante um caso de policia. Se os trabalhadores foram aliciados a mudarem a sua situação porque lhes foi garantido um complemento de reforma, alterar unileateralmente tais condições só tem um nome: vigarice. E se os autores dessa medida são os governantes, então estão identificados os vigaristas. Não vale a pena estar com meias palavras: estamos perante um bando de criminosos, conscientes ou inconscientes, mas criminosos. Os lesados que se mexam e coloquem estes vigaristas onde deviam estar: na cadeia!

http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=25&did=134527

 

 

Governo e Tap contra o povo guiniense

03.01.14, uon

A questão da vinda dos sírios para Portugal, desencadeou uma onda de indignação nas populações da Guiné-Bissau.

A TAP e o governo decidiram suspender unilateralmente as idas e vindas para aquele país o que deixou que homens mulheres e crianças não possam deslocar-se directamente para Portugal, só via Dacar.

Não existem relações estado a estado por causa do golpe de estado na Guiné e por isso as populações estão privadas de sair do país.

A Tap detém o monopólio de transporte na Guiné e por isso faz o que lhe apetece o que é um reflexo ainda do colonialismo que perdura no tempo.

Não se compreende como é que um país independente como a Guiné não tem uma frota aérea para transportar os seus cidadãos para qualquer parte do mundo.

A politica externa deste governo é fraca com a troika e forte com os fracos.

Se o governo maltrata os seus governados em Portugal mais facilmente espezinha os povos outrora colonizados.

 

Como é que um elefante vai aos arames.

02.01.14, uon

Portugal estará em 2014 mais vulnerável a episódios de agitação social, diz um estudo internacional. Politólogos consideram que a contestação deste ano ainda está “controlada” por ser organizada por sindicatos.

E vem eles com estas noticias para ver a reacção do povo.

Eles querem é saber como é que o povo reage a estas noticias.

O povo está de olhos fechados, quando há eleições vota sempre no mesmo, o resultado também só pode ser o mesmo.

Mais austeridade, mais impostos, mais repressão económica e social e politica.

Os políticos continuam a saber gerir as reacções do povo e a saber comandar, o pior é quando o povo abrir os olhos aí ele vai aos arames.

Como é que um elefante vai aos arames.

 

Foto: Divulgação

Pág. 6/6