Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

Istambul: DAF e outros grupos saúdam o companheiro Nikos Romanos

09.12.14, uon

Istambul: DAF e outros grupos saúdam o companheiro Nikos Romanos

freedon 1

police-in-front-of-greek-consulate

Polícia defronte do consulado da Grécia

police-standing-for-protecting-greek-consulate

DAF-clash-with-police

Hoje, estamos nas ruas por Alexis, que foi assassinado pelo Estado grego, e por Nikos Romanos que está em greve de fome há 26 dias contra a repressão do mesmo Estado.

Hoje, estamos nas ruas pelos nossos irmãos e irmãs que foram assassinadxs
enquanto resistiam na Grécia, em Ferguson, no México, em Kobanê.

Hoje, estamos nas ruas por Berkin, Ali İsmail, Ethem, Arin, Kader, Suphi Nejat. Enquanto os estados estão a matar os nossos irmãos e irmãs em todo o mundo, nós, anarquistas revolucionários, estamos nas ruas com a nossa raiva contra os estados, capitalistas, empresas e assassinos.

Até mesmo a polícia que nos seguiu e nos atacou com as suas balas de plástico, bombas de gás e bastões não nos poude alcançar para suprimir a nossa raiva. Resistimos com as nossas bandeiras negras enquanto cresciam de tom as nossas palavras de ordem.

Esta paixão pela liberdade está a crescer hoje; a cólera pelxs que foram assassinadxs pelo estado inflama o nosso motim.

A Ação Revolucionária Anarquista saúda o companheiro Nikos Romanos’ e a sua resistência

Comunicado

Hoje, com toda a raiva de que a vida se apodera contra os poderes, com a convicção num mundo livre, as bandeiras negras são desfraldadas em todo o mundo. Contra as empresas que exploram o nosso trabalho para lucrar mais; contra os Estados que assassinam muitos de nós em nome das fronteiras que forjaram; contra todos os poderes que enchem os seus bolsos com as nossas vidas por eles destruídas, tornando-nos mais pobres e fazendo os ricos ainda mais ricos; a rebelião está viva na raiva do anarquismo. A raiva contra os patrões, empresas, assassinos e estados, está-se a propagar em pleno dilúvio através das bandeiras negras. O ressentimento de ser negligenciadx, desaparecidx e assassinadx está-se a transformar em raiva e as ruas estão a arder por toda a parte.

Há exatamente seis anos no bairro Exarchia de Atenas, Alexandros Grigoropoulos foi morto aos 16 anos, porque era um anarquista. Morto por um bófia, pela  bala da sua arma, porque tinha transformado a sua cólera em rebelião e saído para a rua a apelar à vingança pelas vidas que tinham sido tomadas, porque não obedeceu aos poderes e resistiu a todo o custo, pela liberdade. No dia 6 de Dezembro de 2008, a bala que atingiu Alexis foi transformada no fogo da rebelião nas ruas.

Embora os assassinos tivessem continuado os seus ataques, a raiva contra aqueles que silenciaram um coração que batia pela liberdade incendiou as ruas de Atenas, Tessalónica, Istambul e em todo o lado.

Nikos Romanos, que estava com Alexis no dia em que aquele foi morto e compartilhava com ele a convicção de um mundo livre, está agora em cativeiro, porque é um anarquista. Romanos está cativo, porque não permaneceu em silêncio contra a injustiça, porque não desistiu, apesar da opressão do Estado, porque com a mesma convicção que a de seu companheiro assassinado continuou a sua luta contra os poderes. Aqueles que pensavam que podiam parar essa luta, matando Alexis, agora capturaram Nikos, esperando com isso parar mais um daqueles corações que batem para o anarquismo. Tal como em 2008, as ruas estão cheias de raiva contra o Estado, que continua a atacar Romanos através do isolamento, opressão e tortura. Enquanto Romanos mantém uma greve de fome desde 10 de Novembro, outros companheiros anarquistas ne prisão também iniciaram uma greve de fome de solidariedade; e a mesma voz ecoou nas ruas ardentes e nas celas dos prisioneiros resistentes: “Enquanto respirarmos e vivermos, que viva a anarquia!”

Os poderes que assassinaram Alexis em 2008 e que mantêm em cativeiro Nikos hoje, pensam que podem ignorar a crescente raiva contra a injustiça no mundo. Continuam a aprisionar, atacar e matar com base nessa ilusão.

No México, 43 estudantes que resistiram à política dos poderes que suprimem o seu futuro, desapareceram às mãos do Estado. Os seus corpos foram encontrados em valas comuns, vários dias depois. Apenas por serem negras, as pessoas são visadas pela repressão fascista de poder e tornam-se alvos das balas da polícia; e aquelxs que resistem à prisão são estranguladxs e assassinadxs pela polícia. Muitos de nossos irmãos, como Berkin, Ethem Ali, Ahmet resistiram pelas suas vidas e foram mortos pelo Estado policial. Enquanto aquelas e aqueles que resistem em Kobanê, para criar uma nova vida, como Arin, como Suphi Nejat, como Kader, são mortos pelos bandos, militares e soldados do Estado, aqueles e aquelas que estão nas ruas, em todos os cantos da região, abraçando a resistência de Kobanê, como Hakan, como Mahsun são alvejadxs pela polícia assassina do mesmo Estado…

Onde quer que se encontrem aquelxs que lutam contra a injustiça, que resistem para retomar as suas vidas, que lutam pela sua liberdade, estando nas ruas, há luta contra a opressão, tortura e morte. Os opressores pensam que podem desencorajar aquelxs que não obedeçam, encerrando-xs, removendo-xs ou matando-xs; um grito de liberdade nalgum lugar encontra eco em todas as direções. Das celas de Atenas ao México, das ruas de Ferguson a Istambul e às terras livres de Kobanê, o desejo de um mundo novo espalha-se como uma inundação. Agora, esta paixão pela liberdade está a crescer; a raiva contra os assassinatos alimenta o fogo da revolta nos corações

Esta revolta é dirigida contra o poder que rouba as nossas vidas, que procura destruir a nossa liberdade, que nos mata. Esta revolta é dirigida contra o capitalismo e do Estado. Esta revolta é dirigida contra todas as formas de cativeiro.

Com esta revolta pela liberdade nos nossos corações, o anarquismo está a crescer em toda a parte do mundo. E a nossa luta está a aumentar, de um canto ao outro do mundo, transportada pelas ondas de bandeiras negras.

Viva a Revolução, viva a anarquia!

Ação Revolucionária Anarquista(DAF)
Ação Anarquista dos Liceus (LAF)
Juventude Anarquista
Mulheres Anarquistas
MAKI
TAÇANKA

Crónica de la “Semana de lucha contra The Phone House”

06.12.14, uon

La semana de lucha contra The Phone House, convocada por las múltiples secciones sindicales que CNT tiene en la empresa, se ha cerrado con muestras solidarias desde todas partes de la península.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Con estas movilizaciones la central anarcosindicalista comienza a moverse de manera conjunta para poder transformar el actual estado de la plantilla dentro la empresa y poder demoler sus políticas de explotación, acoso y discriminación.

IMAG3344 Tenemos constacia de que se ha salido en Salamanca, León, Guadalajara, Burgos, Aranda del Duero, Iruñea, Madrid, Aranjuez, Lorca y en muchos sitios más de los que aún no nos ha llegado la información.

PHGU1 PUBLICAR IMG_20141128_180250 IMG_20141125_182053 6_piquete_Nov-2014_CMhomer-800x600-300x199 DSC_0005 Por último, agradecer el esfuerzo hecho por todas las compañeras y compañeros  que no han dudado en salir a la calle para solidarizarse con la plantilla de The Phone House, que no sólo no agachan la cabeza frente a la empresa, sino que dan un paso al frente para reinvindicar lo que por derecho les pertenece.

¡¡¡LA FUERZA DE LA OBRERA, LA SOLIDARIDAD!!!

http://www.cnt.es/noticias/cr%C3%B3nica-de-la-%E2%80%9Csemana-de-lucha-contra-phone-house%E2%80%9D

"Feminista é como machista, mas no feminino"

05.12.14, uon

 

"Não sou anarquista pois ser anarquista é muito mais do que consegui ser, e não digo que sou feminista porque não o sou, sou uma militante libertária feminina. Não sou a favor da dominação das mulheres sobre os homens. Feminista é como machista, mas no feminino. Eu sempre combati com os homens, não contra eles, mas contra a opressão. Meu combate vai muito além, ele concerne igualmente aos homens. Os dois sexos devem conquistar a liberdade juntos. Não, não, eu não sou feminista, sou mulher. A liberdade da mulher é a condição da liberdade do homem, e vice-versa; essa é a liberdade como nós libertários e libertárias entendemos. Ela não visa substituir homens por mulheres na hierarquia da exploração, mas sim suprimir a exploração do homem pelo homem, seja macho ou fêmea. É permanecendo juntos, não em oposição uns aos outros, que lograremos êxito. É nisso que nós nos distinguimos daquelas que reivindicam o feminismo e que não questionam os fundamentos dessa sociedade."

Sara Berenguer,
ex-Secretária do Comitê Revolucionário da C.N.T.-F.A.I.
e ex-Secretária da Propaganda do Comitê Regional de Mujeres Libres.

Video
Ver vídeo
 
 
Hoje as feministas de esquerda/direita lutam por um lugar ao sol.
Querem ser ministras, deputadas, directoras, chefes, trabalhadoras é que não.
O partido socratista (PS) e o Bloco já tem a paridade nas suas listas a deputados.
Isto é o que se chama de emancipação da mulher a altos cargos governativos e administrativos.
O bloco e sua organização feminista UMAR já entrou nesse esquema burguês.
Por causa da falsa emancipação da mulher é que começou a haver mais casos de violencia doméstica e mortes.
O capitalismo causa a emancipação por que tem muitos produtos à venda para a mulher consumir, para ficar mais linda, mais bela para os homens adorarem, mesma que não tenha nada na cabeça como as mulheres do big brother da TVI.
 

anarquistas ocupam sede de sindicato reformista em solid. com anarquista

05.12.14, uon

grecia-ocupacao-do-edificio-da-c-1

Na quinta-feira, 4 de dezembro, solidários com a luta do anarquista em greve de fome Nikos Romanós ocuparam o edifício do sindicato oficialista “Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos (GSEE)”. Um dia antes, na quarta-feira, 3 de dezembro, o Conselho Jurídico havia rejeitado o pedido de Nikos Romanós de permissão de saída da prisão por razões educativas. A seguir, publicamos os dois comunicados emitidos pela assembleia da ocupação.

 

O primeiro comunicado da Ocupação da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos:

Nos diziam que venceríamos quando nos submetêssemos. Nos submetemos e encontramos cinzas

Hoje, 4 de dezembro de 2014, ocupamos o edifício da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos, para mostrar solidariedade com o anarquista em greve de fome Nikos Romanós. O anarquista Nikos Romanós é um inimigo consciente do Regime. Ele optou por lutar na prática contra o Estado e o Capital, dentro e fora das prisões.

Aqueles que pretendem a sua aniquilação ou a sua rendição sem condições são:

– O governo, que sendo fiel às ordens do Capital local e internacional, impõe a aplicação dos memorandos, uma dura política de austeridade econômica e a desvalorização da nossa força de trabalho.

– O Estado, que impõe um estado de emergência para obter através de chantagens o consenso social, e para estabelecer o medo. Os campos de concentração para imigrantes, as prisões de tipo C, as detenções e as humilhações de mulheres soropositivas, a repressão violenta de manifestantes, as torturas, a ocupação policial em Skuriés, Calcídica, e a repressão violenta das manifestações estudantis, compõem a imagem de uma Grécia-fortaleza.

O “avancinho” da política repressiva atualmente é o caso do anarquista em greve de fome Nikos Romanós. Através de sua aniquilação, o Estado pretende conseguir a neutralização das propostas revolucionárias: da auto-organização da resistência e da solidariedade. Essas propostas que podem desencadear a ofensiva social e de classe, a revolução.

A luta de Nikos Romanós não está associada apenas com a concessão de permissão de saída da prisão por razões educativas. É uma barricada contra as prisões de tipo C, as novas condições de detenção especiais, a anulação de direitos que foram conquistados pelos presos com sangue. É uma barricada contra a investida assassina do Estado e do Capital. Por todas estas razões estamos ao lado de nosso companheiro, e nos solidarizamos com a sua luta.

Luta até a vitória ou luta até a morte

A Ocupação da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos

 

O segundo comunicado da Ocupação da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos:

Solidariedade com Nikos Romanós, anarquista em greve de fome

Desde as 19h, o edifício da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos (GSEE) está ocupado por anarquistas, em solidariedade com Nikos Romanós, anarquista em greve de fome desde o dia 10 de novembro. Uma hora mais tarde (da ocupação) o espaço em torno do edifício começou a ser cercado pelas forças repressivas, que, finalmente, foi bloqueado por eles.

É óbvio que as forças repressivas cumprem as ordens do governo, com o fim de evitar a criação de outro centro de luta aberto e integrado na planificação de ações solidárias com o anarquista em greve de fome Nikos Romanós e os anarquistas em greve de fome solidária Giannis Mijailidis, Andrés-Demetrio Burzukos e Demetrio Politis.

Não passarão!

A assembleia da ocupação da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos decidiu permanecer dentro do edifício, apesar de qualquer bloqueio que se realize, e junta a sua voz com a do companheiro Nikos Romanós.

Força aos anarquistas grevistas de fome. Vitória para Nikos Romanós.

A Ocupação da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos

O texto em castelhano:

http://verba-volant.info/es/ocupacion-del-edificio-de-la-confederacion-general-de-trabajadores-griegos-en-solidaridad-con-la-huelga-de-hambre-de-nikos-romanos/

Notícia relacionada:

http://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2014/12/02/grecia-milhares-de-manifestantes-encheram-as-ruas-de-atenas-em-solidariedade-com-a-luta-do-grevista-de-fome-nikos-romanos/

agência de notícias anarquistas-ana

Farsa bem montada: legislativo, executivo e judicial

04.12.14, uon

Os sistemas ditos democráticos modernas situados na Europa adoptaram o sistema legislativo, executivo e judicial baseado no barão Montsquie, que por sua vez foi beber a Aristóteles.

Este sistema de separação de poderes não é mais que uma farsa bem montada que os estados adoptaram como forma de repressão dos povos.

Quem faz as leis (legislativo) é a assembleia de representantes eleita em sufrágio universal de voto secreto.

O executivo é o governo que leva à pratica as leis e administrativamente gestiona o estado.

O judicial é formado pelos tribunais com os juízes á cabeça e ministério publico que investiga juntamente com as policias.

Todos estes órgãos são formados por pessoas e eles tem todos o mesmo objectivo que é governar legislar e julgar.

Todos estes órgãos tem como objectivo a repressão do estado e sustentar o estado cada um á sua maneira de modo que o mesmo perdure no tempo.

Há muitas injustiças na justiça no governo e na assembleia e por isso esse dever deve ser substituído por uma assembleia local de cidadãos de forma que as regras a execução e o julgamento seja devidamente apreciado por todos e não por meia-dúzia de representantes do estado.

 

 

 

 

 

 

ANARQUISMO EM SUÉCIA:PASSADO E PRESENTE

04.12.14, uon

La historia del anarquismo sueco es bastante desconocida fuera de su pais, pero no por eso menos interesante.

Un movimiento que jugó un papel bastante importante en la creación de la primera internacional anarquista (AIT), jugó un papel bastante importante en el movimiento obrero sueco en la primera mitad del siglo XX y que a lo largo de ese siglo, sufrió y ha sufrido muchos cambios y transformaciones. Cambios que nos pueden servir, tanto como ejemplo como de advertencia a los demás movimientos libertarios en Europa.

¿Cómo ha sabido desarrollarse y defenderse el movimiento anarquista sueco en un país con un estado fortísimo y un sistema social, aparentemente, igualitario?

¿Qué errores se han cometido y qué podemos aprender de ellos?

¿En qué punto se encuentra y cuáles son los retos para el movimiento anarquista sueco moderno?

Organizamos, desde el Sindicato de Oficios Varios de la CNT-AIT de Madrid, una charla con 3 militantes de la Federación Local de Örestad (Malmö), un sindicato anarcosindicalista, que vienen a hablar no sólo de su trabajo en la actualidad sino también sobre la historia del anarcosindicalismo y el anarquismo en Suecia y de cómo está el panorama del anarquismo y su movimiento en la actualidad.

La charla se dará el martes 9 de diciembre a las 19:30hrs en el salón del 2º piso de los locales de CNT-AIT en Tirso de Molina nº 5, 2ºizq.

http://www.cnt.es/eventos/charla-9-de-diciembre-anarquismo-en-suecia-pasado-y-presente

Mais vale um boa guerra que uma paz podre

03.12.14, uon

Quer queiram quer não foi o Senhor General Eanes que impediu uma Guerra Civil numa altura que Portugal estava dominada por forças que não queriam a Democracia.RR

Eanes e outros impediu a "guerra civil" no verão quente com o seu golpe miseri(a)cordioso de 25 de Novembro que nos conduziu a uma guerra do sistema "democrático" contra o povo pobre e trabalhadores que cada dia que passa é mais um imposto, mais um aumento da idade de reforma, mais austeridade, mais repressão,mais desemprego, mais injustiças na justiça, mais juízes justiceiros que gostam da palavra 25 anos de prisão.

Antes do 25 Novembro havia um objectivo ideológico de avançar para o socialismo, criar uma reforma agrária, dar casa a quem não a tinha, pôr as empresas a funcionar que estavam nas mãos dos trabalhadores, nem havia a repressão económica social politica e policial que há hoje, por que quem impunha a ordem eram as massas, a policia praticamente não tinha força para reprimir,os soldados andavam nas ruas aos lado do povo e isso é muito mau para os capitalistas e a burguesia.

Deram cabo da Lisnave, Sorefame, Quimigal, Cometna e de outras grandes empresas que davam trabalho a milhares de trabalhadores.

Havia que fazer alguma coisa e fizeram e até nos conduziram à banca rota e está provado que não sabem governar, mas sim governar-se.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Hong Kong:Lideres do protesto querem-se entregar

02.12.14, uon

Os 3 lideres do protesto em Hong Kong dizem que se vão entregar "Não sabemos o que vai acontecer depois de nos entregarmos, se vamos ser detidos ou colocados em liberdade, mas estamos preparados para as consequências".

Em primeiro lugar não podem ser detidos por que senão tem deter todos os integrantes do protesto.

Os três fundadores do movimento "Occupy Central" pediram hoje aos manifestantes pró-democracia para se retirarem das áreas ocupadas.

Os lideres do protesto podem-se entregar, mas não podem pedir aos manifestantes para fazerem o mesmo, só se eles o quiserem fazer, afinal eles são os donos do protesto.

Não se percebe por que é que um movimento destes ao fim 2 meses retira do local se mais nem menos.

O movimento até tem possibilidades de sair vitorioso, mesmo que o termo democracia (partidos) nem seja carne nem peixe e dar para muitas coisas.

Ninguém come democracia ao pequeno almoço senão passa fome como milhares ou milhões de pessoas.

Em nome da democracia dá para impor a repressão politica económica social e policial e até impor o estado sitio de emergência como está na nossa constituição.

 

 

 

 

 

 

Gostavamos de saber o que de bom Costa tem para anos apresentar

01.12.14, uon

Lider do grupelho fascista PNR para protestar contra a suspensão do feriado disse “se há coisa que não é possível é falar de independência sem falar em soberania e um país não é soberano se o seu povo não é livre nem tem condições mínimas de vida”.

Mas então não vosso amo o finado Salazar que meteu na miséria o povo português perseguiu e desterrou muitos anarquistas e comunistas para o Tarrafal.

Em contrapartida também Salazar foi objecto de atentado falhado em Lisboa, quando seguia para a missa, por parte de um grupo onde pontuava Emidio Santana.

Veem agora dizer que o povo português não tem condições minimas de vida só pode ser a brincar.

O vosso governo governou até 25 de abril 1974, mas agora tem dignos seguidores em "democracia" com Passos e Portas no governo e o antecedente Sócrates.

Costa também nos quer enganar pede maioria absoluta e os votantes só se forem uns ediotas é que lhe vão fazer a vontade.

Gostavamos de saber o que de bom Costa tem para anos apresentar.

 

 

 

 

 

Pág. 4/4