Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Diplomacia de guerra

por uon, em 02.04.18

Não tenho dúvidas nenhuma que se a Rússia fosse um país como o Iraque ou outro com a dimensão do mesmo a esta hora a CEE/UE/NATO/USA e satélites já estariam a descarregar bombas sobre a sua capital como aconteceu com o Iraque. Como a Rússia tem uma dimensão maior e é uma potencia militar mundial estes países fica-se pela expulsões de diplomatas que é o que podem fazer. Se por acaso desencadeassem uma guerra à Rússia ela podia transforma-se numa guerra mundial. O Governo luso também actuou com algumas percalções chamado o embaixador em Moscovo para consultas por que a economia lusa depende muito do turismo e a Rússia dá também muitos turistas a Portugal e não quis alinhar com os convivas europeus em matéria diplomática expulsando diplomatas o que seria seguida pela Rússia na mesma moeda dificultando o import/export que seria muito prejudicial a campanha lusa na Rússia. De qualquer maneira o governo alinhou com linha Ocidental ainda que fosse criticado pela direita PSD/CDS mais extremista.Quanto ao Bloco e ao PCP também ficaram rendidos à posição do governo.O Bloco diz que não há provas por enquanto mas se houvesse era a favor da expulsão.Quanto é que não vale um lugarzinho no futuro governo.

http://www.jornalmudardevida.net/?p=4899#comment-45756

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:38

Sublinhado nosso

 

Nestas últimas semanas têm se visto diversas noticias nos meios de comunicação sobre o crescimento da extrema-direita em Portugal e a violência perpetuada por estes grupos de cariz nazi-fascista.

Esta crescente onda de violencia é algo que para nós não é uma novidade ou surpresa. Não o é, por ao longo dos últimos anos já se ter vindo a denunciar, organizar para fazer frente à violência gratuita, racista e xenófobas. Neste momento existem vários grupos antifascistas em Portugal, de norte a sul, que tem sensibilizado ao longo dos anos as pessoas para este problema, mas tem sido desacreditados por pessoas e partidos que minimizam a luta antifascista e que em muitos dos casos os mesmo se dizem antifascistas. Mais uma vez a realidade vem provar que o que temos vindo a falar/denunciar sobre grupos como os “Hammerskins” ou partidos como o “Partido Nacional Renovador” ou o mais recente “Nova Ordem Social” é mais que devido e não podemos descuidar dos outros que caminham camuflados e escondidos. Para além destes grupos, não descuidaremos os sucessivos governos que alimentam e deixam circular pelas instituições pessoas com ligações e perfiliações deste cariz. Queríamos também referir, que mais uma vez os meios de comunicação utilização a palavra skinhead de forma errada.

De uma forma muito resumida mas explicita, os skinheads surgiram em Inglaterra, eram jovens da classe trabalhadora que passaram a identificar-se com certos aspectos da cultura jamaicana trazida por imigrantes afro-caribenhos com os quais conviviam, a música que ouviam era sobretudo reggae e ska,e por estes motivos óbvios não eram racistas ou xenófobos.

Somos antifascistas de diferentes faixas etárias, de vários pontos do País, com visões politicas muitas vezes distintas, mas com uma ideia e luta em comum :antifascismo. Dito isto, e ao contrário do que os meios de comunicação possam dizer, não podemos ser comparados a estes grupos ou partidos de extrema direita, porque não somos criminosos, apelamos à tolerância, queremos combater o racismo, xenofobia, homofobia, machismo e qualquer tipo de opressão.

Torna-se urgente que as pessoas se informem, que se organizem, que se juntem à luta antifascista, que apoiem os núcleos e movimentos antifascistas das suas cidades.

Núcleo Antifascista de Braga

Núcleo Antifascista de Viana

Núcleo Antifascista do Porto

Núcleo Antifascista de Ovar

Núcleo Antifascista de Coimbra

Núcleo Antifascista de Lisboa - Margem Sul

Núcleo Antifascista da Madeira

Coordenadora Antifascista Portugal

Movimento “ Um Activismo por dia”

Left Pride Portugal

GRRAP

Redskins / RASH Portugal

Sharp Portugal

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:37

QUE FAZEM OS SOLDADOS PORTUGUESES NA RCA?NADA OU MUITO POUCO. ESTAS MISSÕES FUNCIONAM COMO FORÇAS DE OCUPAÇÃO E NÃO AJUDA. OS OCIDENTAIS FAZEM A GUERRA ENTRE OS LOCAIS POR INTERESSES ECONÓMICOS E DEPOIS ENVIAM TROPAS PARA ASSEGURAR A OCUPAÇÃO E RETIRAR AS RIQUEZAS DESSES PAÍSES. COMO É EVIDENTE NOS LOCAIS À GENTE QUE QUE PROCURA TER INTERESSES ECONÓMICOS EM CONLUIO COM AS TROPAS OCUPANTES E DOMINAR O POVO PARA CONSEGUIR ALGUNS EUROS OU DÓLARES. NO MEIO DISTO TUDO FICA O POVO QUE SOFRE COM OS CHEFES LOCAIS E COM OS OCUPANTES ESTRANGEIROS.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:11



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D