Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

PCP e os velhos fantasmas

21.11.08, uon

As teses que estão em discussão no seio do Partido Comunista, para o próximo congresso que se realiza no próximo fim de semana continuam a ter como modelo de sociedade paises como CUBA, ViETNAM, LAOS, CHINA e COREIA DO NORTE como a vanguarda da classe operária e da ditadura do proletariado.

O PCP continua arreigado a mitos e neste anos não mudou nada e porventura é uma alternativa  ao regime capitalista burguês protagonizado pelo Estados Unidos e pelos países da CEE, Portugal incluido.

O PCP ao defender estes regimes sanguinários de cariz totalitário onde não existe a liberdade de pensamento e quem pensa doutra maneira ou é preso ou é internado ou em última análise é morto.

Também há partidos marxistas-leninistas eme vários países europeus a preconizarem a ditadura do proletariado como a via para o socialismo.

Não deixa de ser sintomático aquando da existência da União Soviética era muito comum haver golpes de Estado principalmente, em África e normalmente esses golpes eram da autoria de militares próximos ou apoiantes dos soviéticos, como por exemplo foi a Etiópia.

Com a queda do Muro de Berlim os Estados ditos "socialistas" como eram no Leste europeu o modelo que adoptaram foi o regime capitalista existentes no Ocidente, o que quer dizer que o regime capitalista e o "socialista de Estado" são uma alternativa a eles próprios, e quando não um está outro.

O modelo de regime capitalista tipo Ocidental encontra-se neste momente em maioria, só havendo uma lança de capitalista de Estado, em CUBA,  COREIA DO NORTE,  CHINA, etc.

A verdadeira alternativa a estes dois regimes só pode ser o sistema social anarquista protagonizado pelos próprios anarquistas e teve alguns impactos na revolução russa e na revolução espanhola de curta duração, por que o fascismo vermelho e o fascismo franquista/hitleriano não deixaram que este sistema se consolidasse e pudesse sobreviver sob o signo da autogestão revolucionária e anarquista.

Na revolução espanhola houve localidades onde o dinheiro deixou de circular não por obra e graça do espiranto santo ou de algum senhor, mas sim porque as populações assim o quiseram como é dito por um velho anarquista,  no filme "Memória Subversiva" de José Tavares.