Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Encontro anti-Nato em Lisboa

por uon, em 28.12.09

nato_big_web.jpg

 

Jornal "Mudar de Vida"

 

Nos dias 11 e 12 de Dezembro realizou-se em Lisboa, no Ateneu Libertário, um encontro do Comité Internacional de Coordenação (ICC) da campanha contra a Guerra e contra a NATO – No to War, no to NATO. Tratou-se de um encontro de particular importância, pois esta agressiva aliança militar imperialista pretende realizar a sua cimeira em Portugal, nos finais de 2010. Esta data representará, inevitavelmente, um momento alto de mobilização internacional contra a aliança militar reaccionária.

A NATO, comandada pelos EUA (agora com um presidente prémio Nobel da Paz!), que tem envolvido numerosos países em missões guerreiras, é responsável pela morte e estropio de muitos dos seus cidadãos e, mais grave, por vários massacres perpetrados noutros países, assim como pelo enorme sofrimento de muitos povos.

Um dos temas que esteve presente neste encontro foi o da criminosa guerra levada a cabo pela aliança imperialista no Afeganistão (agora reforçada com mais tropas de ocupação) e que já foi objecto, em Berlim, no mês de Outubro, de uma conferência do movimento internacional No to War, no to NATO.

No encontro dos dias 11 e 12, em Lisboa, participaram activistas da Plataforma Anti-Guerra, Anti-Nato (PAGAN), que são membros portugueses desta campanha internacional. Aí, foi acentuada a necessidade de grande abertura e unidade dos activistas da PAGAN com todos aqueles que se opõem em Portugal à guerra e à NATO. Aliás, na linha da plataforma política recentemente estabelecida entre os activistas deste movimento anti-guerra.

Como programa de luta de um amplo movimento, a desenvolver desde já, a PAGAN defende:
-o repúdio pela cimeira da NATO a realizar em Portugal;
-a exigência de dissolução da NATO;
-a exigência de retirada das forças portuguesas das missões militares da NATO;
-a exigência de revogação do acordo da Lajes;
-a exigência de que o governo e as autoridades portuguesas adoptem uma política activa de defesa do direito internacional e da soberania dos povos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:21




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D