Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Federação Anarquista Portuguesa

por uon, em 29.11.10

No passado dia 27 deu-se o encontro que lançou definitivamente a Federação Anarquista Portuguesa previamente anunciado aqui no IndyMedia. O resultado foi largamente positivo e teve aprovação expressa da parte de muitos dos mais de 200 companheiros presentes na página da FAP no Facebook. Eis o relato tal como se encontra naquela página, nas palavras de um dos participantes, Antero Fajardo:

Sinto-me imensamente feliz. Passei um dia maravilhoso junto de companheiros maravilhosos. Mesmo com o frio. Foi como se um pequeno sol brilhasse para nós sobre aquela mesa comprida que partilhámos. Conversámos muito, naturalmente. Falámos de muita coisa, trocámos ideias e eu senti-me entre irmãos. É claro que não podíamos tomar decisões vinculativas de monta porque eramos poucos. Mas acordámos princípios que estavam já lançados a debate nesta página e mantivemos a condição sine qua non de horizontalidade e o sentido decisório da periferia para o centro. Foi decidido incluir a opção de colaboração individual para permitir a quem não pertence a colectivos e está demasiado longe de outros companheiros poder ser parte deste grande labor político que é a construção da mudança. A F.A.P. irá agora procurar reunir noutros locais com camaradas que desta vez não puderam ir e, simultaneamente, fará a sua apresentação aos colectivos e associações locais para que o movimento anarquista possa reforçar-se pela interacção nacional, aproveitando os meios que esta federação pode pôr ao serviço de acções concertadas, reuniões e debates nacionais, etc. Sendo que a F.A.P. manterá sempre o seu carácter imaterial, na medida em que ninguém será representante privilegiado da F.A.P., não haverá orgãos permanentes nem hierarquia. A F.A.P. deverá igualmente coibir-se de tomar posição quanto a questões partidárias. Estamos conscientes de que há companheiros que sentiram necessidade de participar em acções partidárias por se acharem desamparados politicamente. Essa é uma opção individual. A F.A.P. não se imiscui no partidarismo/parlamentarismo mas também não coarta a liberdade de cada um para dispor da sua capacidade de discernimento político. Não pode é misturar uma coisa com a outra nem usar a F.A.P. para fins não acordados por todo o colectivo. Em todo o caso, uma federação forte permitirá a emancipação total da partidocracia porque terá expressão, representatividade e visibilidade. Entendemos na F.A.P. outra vertente que é a de facilitadora, isto é, estabelecendo uma rede de contactos e apoio mútuo criaremos as condições para que os colectivos e as pessoas individualmente possam convergir em momentos e acções determinantes, disponibilizando apoio em rede, facultando carros, alojamento, refeições, apoio logístico oferecidos pela comunidade anarquista espalhada pelo país. Tal como hoje tive o prazer e a felicidade de oferecer boleia a dois companheiros ou o Rui de oferecer pernoita a outros companheiros para se poderem juntar à manifestação anti-NATO do passado dia 20. Esse é o espírito e o modus operandi que deve ser potenciado para dar sentido à coordenação de esforços e vontades. É óbvio que tudo isto está sujeito a análise e aprofundamento à medida que for havendo mais encontros e houver maior diálogo inter-associações. Ficou patente que o diálogo presencial é bastante mais fecundo e unificador que a interacção virtual. O espírito com que decorreu a nossa reunião demonstrou a validade deste projecto porque provou a força do factor humano na equação anarquista. Só com mais reuniões e debates conseguiremos consolidar a rede solidária para agir sobre a sociedade e fazê-lo coerente e eficazmente. Julgo que o colectivo aqui presente e em crescimento tenderá a responder com entusiasmo ao espraiar da federação nos momentos subsequentes, contribuindo com ideias, trabalho e alegria para a batalha que temos pela frente. A F.A.P será cada um dos companheiros que se identifique com ela. E cada encontro terá o seu pequeno sol pairando sobre corações voluntariosos e altruistas...

Mais informação está disponível em http://www.facebook.com/home.php?#!/home.php?sk=group_161397563897666&ap=1.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:43


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Ácrata proudhoniano a 29.11.2010 às 20:11

Eis aí uma boa notícia. Espero que não desapareça como outras tentativas de congregar o movimento anarquista em Portugal. Que se aproveite o ensejo para gerar uma corrente poderosa. Nunca depois do 25 de Abril como hoje o anarquismo teve um terreno tão fértil para crescer. Basta unir-se e trabalhar sem capelinhas.
Imagem de perfil

De uon a 30.11.2010 às 11:04

Se os companheiros quiserem vir falar sobre a FAP em Lisboa, o Ateneu Libertário de Lisboa está aberto.

Comentar post




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D