Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

8 de Março dia da mulher e do homem explorado

04.03.15, uon

8 DE MARÇO- DIA INTERNACIONAL DA MULHER TRABALHADORA.


 


Era oito de março de 1857 quando trabalhadoras da fábrica têxtil Cotton de Nova Yorque entraram em greve contra suas péssimas condições de trabalho.  As operárias trabalhavam de 14 a 16 horas por dia e recebiam salários miseráveis, menores que o dos homens, como acontece ainda hoje. Muitas tinham que levar os filhos pequenos para trabalhar junto. Não havia licença-maternidade. Diante da negativa da empresa ante suas reivindicações, 129 mulheres ocuparam a fábrica. 

O patrão chamou a polícia, que fechou as portas da fábrica e pôs fogo no edifício. Todas elas morreram queimadas. Dizem que, quando elas pararam as máquinas, estavam tecendo um tecido lilás, por isso essa cor é tão usada na luta das mulheres trabalhadoras.

Foi em memória a essas mártires do movimento operário que o oito de março foi dedicado a mulher oprimida e sua luta. Isso evidentemente não tem nenhuma relação com o caráter que vem tomando essa data hoje, em que imprensa e políticos burgueses fazem homenagens para as mulheres burguesas, ou seja, as empresárias, governantes, parlamentares e estrelas da mídia.

O 8 de março portanto não diz respeito a qualquer mulher, diz respeito à mulher do povo. Fica contraditório homenagear as ricas, que pertencem à mesma classe daquele patrão que em 1908 assassinou as operárias. Por isso, é uma data por excelência para dizer que a luta dos oprimidos continua, e que em meio a tragédias como essa, trouxe também muitas conquistas.

 


 

Haver um só dia da mulher é muito mau sinal.

É sinal que a mulher ainda não conseguiu tal como o homem a sua emancipação económica e social e politica e a revolução ainda está por fazer.

Este dia tem de ser transformado no dia da mulher e do homem explorado e ofendido pelo estado e pelo patrão.

É evidente que a mulher como ser mais frágil sofre também de violência doméstica, mas o homem também é disso vitima só que em quantidades menores.

Estes episódios são fomentados pela sociedade e depois os estados fazem papel de bons da fita criminalizando por que não consegue ir à raiz dos problemas.

Homens e mulheres de mãos dadas contra o capital contra os estados e contra a exploração económica e social.

Viva a revolução social anarquista!!