Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

A deserção militar é um acto nobre e inteligente

21.04.16, uon

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/eu-fui-desertor-digoo-com-todo-o-gosto-1729642

 Fernando Cardoso desertor preside   Associação de Exilados Políticos   fala dos seis meses de recruta num tom cómico, tinha 21 anos. Diz que entendeu aquele período como “formação técnico-profissional de borla, com comida e dormida incluídas". 

"Interessava-me aprender a manusear armas. Aprendi imensa coisa, a orientar-me à noite pelas estrelas, cartografia, a manusear G3. Muito interessante.” A leitura de mapas, por exemplo, foi-lhe útil para passar a fronteira a salto ali na zona de Marvão; o percurso que se seguiu foi feito numa Renault 4L com problemas de embraiagem. 

Já “os sectores de esquerda mais radical defendiam a deserção antes da mobilização”. Organizações de extrema-esquerda — os 22 autores pertenceram à Organização Comunista Marxista Leninista Portuguesa (OCMLP), extinta em 1975 — demarcavam-se do PCP também na forma de recusa à guerra: desertaram antes de irem, mas consideravam que o período de recruta lhes poderia ser útil.

Não era só a instituição militar que via com maus olhos a deserção antes de ir para a guerra — o próprio PCP defendia a deserção, mas já no teatro de guerra. Entendia que os militantes tinham a tarefa de esclarecer os outros soldados e incitá-los a desertar, explica a historiadora do Instituto de História Contemporânea da Universidade de Lisboa, Irene Pimentel, no posfácio do livro. (Público)

A deserção militar  é um acto inteligente (embora para os belicistas um desertor seja considerado um criminoso) de quem não concorda com o sistema e com a guerra a outros povos.

Mas se desertor é um criminoso um guerreiro é um otário por que dá a vida em prol de nada.

Mas a recruta militar pode ser muito útil aos formandos por que permite aprender a manusear as armas e outras coisas nem que seja para defesa pessoal e a orientar-se tal com diz em cima Fernando Cardoso.

Depois de ter o curso a deserção é o caminho e virar a espingarda para quem nos deu a instrução.

Agora em Portugal já ninguém deserta por que SMO foi extinto e a formação está fechada já evitar os desertores.

Mas o SMO está sempre na ordem do dia em caso de guerra de vizinhança ou mundial o governo depressa faz uma lei da mobilização geral para defender o sistema.