Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



[Argentina] Amargo Obreiro

por uon, em 24.05.18

argentina-amargo-obreiro-1

O Amargo Obreiro foi uma bebida elaborada por Pedro Calatroni e AntônioTacconi na cidade de Rosário, Santa Fé, no ano de 1888, com uma mistura de ervas aromáticas da serra, no final do século XIX.

Era uma reação às bebidas doces que consumiam as classes burguesas. Foi uma criação do sindicalismo anarquista, caracterizado pelas cores vermelho e negro do rótulo. Adotado posteriormente pelo peronismo, que o identificou como aperitivo elaborado pela classe trabalhadora argentina.

O rótulo da garrafa mostra um punho, uma maça, uma bigorna e uma foice, fazendo alusão ao movimento obreiro. Bebê-lo era rotina entre os peões e trabalhadores. A bebida chegou ao país pelos imigrantes italianos e se caracterizava por possuir um cheiro parecido ao fernet, porém mais doce. Era obtida por uma mistura de ervas como carqueja, camomila e a muña-muña (erva tradicional em algumas regiões da América do Sul), com uma graduação alcoólica de 19%.

Considerado o “aperitivo do povo argentino”, décadas atrás os rótulos possuíam um sol de fundo representando o nascimento de uma nova nação. A mudança para um rótulo neutro, sem nenhuma simbolização, foi ordenado durante a presidência de Leonardo Galtieri.

O Amargo Obreiro foi um aperitivo aparentado com o anarcossindicalismo e marca absoluta de nossa identidade, a bebida da classe trabalhadora, em toda Argentina.

Sua criação, suas origens, passa pelos ácratas da Argentina, desde as Sociedades de Fomento à Cultura e Arte, passando pelos clubes de bairro, que muitos deles transformaram em clubes de futebol. Os padeiros colocaram sobre os nomes das “fraturas”: “canhanzinhos”, “bolas de frade”, “suspiro de freiras”, e outros, ajuntando todos os restos que sobravam davam o nome de “sacramento”. E o que faltava, um aperitivo: AMARGO OBREIRO! Criação e identidade. Nascido na “Barcelona Argentina”, assim se chamava Rosário no movimento obreiro em princípios do século XX.

Alfredo Fernández González

Tradução > Liberto

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:13




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D