Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



http://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2014/02/25/a-bosnia-e-o-nosso-futuro/#more-4842

 

sarajevo

A intensificação da revolta social nos Balcãs é uma das fracturas que se estão a verificar no sistema global capitalista.

Há alguns anos atrás, começou na Grécia uma nova fase de conflito entre os trabalhadores e a classe dominante – revoltas em massa, protestos e greves gerais. A classe operária da Eslovénia foi a seguinte a sair às ruas. Seguiu-se o povo da Turquia , com protestos de mais de um milhão de manifestantes. Depois, os protestos dos trabalhadores da Bulgária e da Roménia ameaçaram os sistemas desses países. Mais recentemente, uma revolta explodiu na Bósnia Herzegovina , a área dos Balcãs em que as fracturas no sistema e a sua podridão são mais visíveis.

 

A actual  BósniaHerzegovina (BH) – o local onde se deu o capítulo mais sangrento na dissolução da Iugoslávia – é uma criação colonial monstruosa, formada de maneira a melhor servir os interesses das forças imperialistas e dos criminosos nacionalistas locais. Este Estado foi criado com o objectivo de servir os interesses dos ricos e a única coisa que o povo tem garantida é a contínua catástrofe – o despedimento de trabalhadores, de todas as nacionalidades, e o roubo dos seus bens. Durante anos eles estiveram cegos pelo nacionalismo alimentado pelos imperialistas, pelos capitalistas, e pelos clérigos de todos os credos, pelos magnatas, pelos seus meios de comunicação e pelos seus apaniguados. Não é surpresa que essas longas e escuras décadas de repressão tenham produzido esta resposta excepcionalmente feroz. Agora não resta qualquer dúvida de que as classes trabalhadoras da BH perceberam, mais uma vez, quem é que é o verdadeiro inimigo.

Protestos pacíficos contra o desemprego e a pobreza causados pelo roubo das privatizações em curso irromperam espontaneamente no dia 4 de Fevereiro. A cidade de Tuzla, um dos maiores centros industriais da ex-Jugoslávia, tem passado por um violento processo de privatizações na última década e as reivindicações dos manifestantes rinham um carácter meramente social. Os protestos cresceram e multiplicaram-se rapidamente e, devido à brutalidade da polícia e à indiferença arrogante do Governo, transformaram-se num confronto aberto, físico, com o actual sistema e com aqueles que o pretendem manter.

 Os trabalhadores – que se sentem enganados e roubados – e os jovens que enfrentam um futuro sombrio se esse processo não for travado, insurgiram-se em mais de 20 cidades. Enfrentaram a polícia, puseram fogo e incendiaram vários edifícios governamentais (símbolos da sua miséria) e chegaram a sequestrar temporariamente o presidente de Câmara de Brčko. Estas acções conseguiram pôr o sistema de joelhos, num curto espaço de tempo, e levaram à intervenção ameaçadora de terceiros. Valentin Inzko, diplomata austríaco/senhor colonial (ele ocupa o cargo de “representante especial da UE” para a BH) sugeriu publicamente que se utilizasse a NATO para fazer com que o país regressasse aos negócios, ou seja, para pôr o capitalismo a funcionar.

Estes protestos evoluíram de uma forma orgânica e nalgumas cidades levaram à criação de Assembleias (“Plenums”), estruturas autogestionadas de democracia directa e de tomada de decisões. Tal é o nível interesse por estas Assembleias que nenhum edifício público é suficientemente grande para acolhê-las, o que demonstra o carácter democrático e a abrangência libertária destes protestos.

Os media burgueses têm feito o seu melhor para ajudar os patrões, relatando histórias inventadas e falsificando ‘factos’, com a intenção de desacreditar os manifestantes e justificar a brutal repressão desencadeada sobre eles desde os primeiros dias de protesto. Um exemplo notável de uma mentira flagrante é o suposto armamento dos manifestantes que teriam a intenção de lançar um ataque à Republika Srpska , a outra entidade política no interior deste país , que é parcialmente independente da principal federação da BH . Muitos dos manifestantes foram agredidos ou ameaçados com violência; centenas foram presos. Parece que esses presos já foram libertados , devido à pressão contínua daqueles do lado de fora e às manifestações de solidariedade a pedirem a sua libertação. No entanto, a polícia continua a prender aqueles que ainda estão activos nas ruas e o Estado tem colocado toda a sua força a tentar esmagar a rebelião .

Os políticos da região estão em pânico. O primeiro-ministro da Croácia visitou a cidade de Mostar ( Mostar é na BH , mas tem uma grande população croata ), um dos lugares onde os protestos primeiro se espalharam. Milorad Dodik (o Presidente da Republika Srpska ) teve uma reunião urgente com Vučić ( o primeiro-ministro, de facto, da Sérvia). Todas as bocas proferem a mesma mensagem: dizem que não há perigo de protestos semelhantes começarem nos seus próprios países, mas se isso acontecer, serão esmagados, e que o melhor é silenciar qualquer notícia acerca do que está a acontecer noutros lugares. Os seus medos são evidentes e dizem-nos quão assustados estão, quão vulneráveis ​​são e quão frágil é a sua permanência no poder.

Durante os últimos meses, a BH tem sido mencionada frequentemente devido à discussão à volta do próximo centenário do início da Primeira Guerra Mundial. Muitas vezes, esses comentaristas têm algum tipo de perspectiva nacionalista e /ou imperialista. As classes trabalhadoras da Bósnia moderna tiveram êxito ao colocarem a sua própria marca nestas discussões e encontraram uma maneira original de comemorarem o aniversário do assassinato do governante feudal da Bósnia , Franz Ferdinand. Ao contrário de o fazerem através de actos de terror individual, responderam em massa fazendo frente à repressão destes dias, de uma forma que os ‘Jovens bósnios’ (*) só poderiam ter sonhado há um século atrás.

Agora que a primeira onda de protestos terminou é evidente que os sonhos e a esperança das massas rebeldes não foram tão bem enunciados quanto o poderiam ter sido se existisse alguma infra-estrutura organizacional ou movimento. As Assembleias são um bom primeiro passo. Seguramente vão ser evenenadas pelo remanescente das antigas ideologias , propostas soluções utópicas , como a de “políticos honestos”,  especialistas” ,  etc . No entanto, essas pequenas aberrações na consciência de classe não nos deve desmoralizar – fora das Assembleias é possível criar um movimento que alargue os princípios de democracia directa e da acção directa para todos os segmentos da sociedade. Isso poderia ajudar o movimento a alcançar com sucesso o objectivo de transferir o poder de decisão para as massas, criando as bases para uma melhor –  e mais livre – sociedade. O objectivo é que os trabalhadores tenham mais a dizer sobre todos os aspectos das suas vidas, com Assembleias em todos os sectores e tipo de local de trabalho , começando por aquelas que fornecem e mantém as infra-estruturas essenciais , tais como água, electricidade, telecomunicações , etc. Uma das primeiras tarefas dos revolucionários bósnios de hoje é criarem o tipo de organização necessária que possa assumir o controle das necessidades correntes e opor-se  - de forma disciplinada e bem planeada – às forças repressivas do Estado.

Este é um chamamento! Para as classes trabalhadoras da Sérvia e para o resto dos Balcãs seguirem o caminho que nos foi iluminado pelos trabalhadores da BH. Se, no futuro, quisermos criar uma sociedade sem classes , sem Estado, de democracia directa , genuinamente auto-gerida precisamos construir já os nossos movimentos. Se usarmos, agora, o tempo disponível seria possível construirmos um movimento da classe trabalhadora dos Balcãs, contra o nacionalismo , contra o imperialismo  e pelo futuro que todos nós temos interesse em partilhar, assente na propriedade colectiva e na liberdade para todos .

Iniciativa Anarco-Sindicalista /secção sérvia da Associação Internacional dos Trabalhadores

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:43




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D