Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

governo nem a oposição são capazes de mudar a situação económica e social do povo português

27.05.14, uon

Capturar

 

As eleições para o P.E. tiveram uma estrondosa abstenção de 66%09, mais os brancos que são 4%41 e os nulos 3%06.

Na realidade cerca de 73 % dos votantes foram contra esta eleição.

Se bem que dentro da abstenção há muitas circunstancias para não votar, desde o alheamento político ao voto conciente na abstenção.

Nestas eleições apesar das politicas contra os trabalhadores e contra o povo do PS PSD/CDS estes partidos continuam na frente da corrida.

A CDU/PCP/VERDES obteve 3 mandatos o que era previsivel uma subida por esta coligação tem capitalizado o desespero de muitos trabalhadores, embora esta coligação seja muito previsível a acordos com a Direita com a sua correia de transmissão a CGTP.

A entrada de Marinho Pinto/MPT na corrida também capitalizou muitos descontentes com a Direita/PS e talvez da esquerda.

Marinho Pinto esteve dois mandatos na Ordem dos Advogados e granjeou alguma simpatia em matéria de justiça, falando contra o sistema de justiça implantado em Portugal e deu frutos políticos.

O Bloco de Esquerda continua em queda continua desde a moção de censura ao governo Sócrates. Perdeu nas legislativas menos nas autárquicas e perde agora dois mandatos para o P.E.

O Bloco quis se pôr em bicos de pés, quase atrelado ao PS e no fundo os resultados foram nulos.

No fundo o espaço desejado pelo Bloco é ocupado pelo PS e deixou as debilidades políticas à vista e o PCP ocupou o espaço à sua esquerda que por norma era espaço do Bloco.

O Livre capitalizou alguns votos descontentes do Bloco, etc mas como é um partidos com meses não tem estrutura politica montada era viável que não conseguisse alcançar deputados.

No fim de contas nem o governo nem a oposição são capazes de mudar a situação económica e social do povo português, por que obviamente não querem por que isto serve os seus interesses políticos de domínio autoritário, onde o povo só é ouvido no acto de votar o que é muito pouco.