Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

UGT na câmara de Lisboa contra externalização da limpeza urbana

11.01.19, uon

UGT na Câmara de Lisboa em comunicado (em baixo) diz que a Câmara PS quer externalizar a limpeza urbana na capital.É um grande sonho este de privatizar ou concessionar a limpeza que já vem do tempo do Abecassis. Nenhum tem conseguido devido a luta dos trabalhadores da limpeza. Há muitas empresas privadas que gostariam de almejar este almoço delicioso, ficando muito mais caro aos munícipes e a própria Câmara.

 

Câmara de Lisboa demonstra falta de consideração pelas trabalhadoras
SINTAP contra a externalização
dos serviços de limpeza
Sem ter em consideração o enorme impacto que a medida tem na vida das trabalhadoras afetadas, a
Câmara Municipal de Lisboa procedeu à externalização dos serviços de limpeza das instalações
municipais, contrariando a posição oportunamente manifestada pelo SINTAP, que continua a não
encontrar justificação para esta espécie de “saga privatizadora”.
Referimo-nos a trabalhadoras que, à semelhança do que aconteceu recentemente com as colegas da
lavandaria, viram, de um dia para o outro, serem-lhes retiradas funções e rendimentos, mostrando
que os responsáveis autárquicos carecem de sensibilidade para as consequências sociais dos atos que
tomam enquanto decisores políticos.
O SINTAP e os trabalhadores perguntam porquê privatizar um serviço que funcionava com
trabalhadores vinculados à Câmara e cuja competência nunca foi colocada em causa.
O serviço não melhorou, bastando para isso verificar o estado em que se encontram os balneários da
Boavista ou de Telheiras, facto que coloca em causa a segurança e a saúde dos trabalhadores que
utilizam essas instalações.
O argumento económico também é descabido, uma vez que de modo algum um serviço contratado a
uma empresa externa sairá mais barato do que o mesmo serviço efetuado com recurso aos
trabalhadores da autarquia.
O SINTAP não pode por isso deixar de manifestar, não só o seu desagrado, como também a sua
desconfiança face aos motivos que estarão verdadeiramente por detrás da tomada de decisões desta
natureza, sem quaisquer argumentos que justifiquem que os trabalhadores sejam tratados como
objetos descartáveis, esquecendo que são pessoas cuja vida pessoal e familiar depende inteiramente
dos rendimentos que obtêm do seu trabalho.
Não podemos também permitir que casos como estes continuem a acontecer, pelo que o SINTAP
tudo fará para que este tipo de situações, que colocam em causa a saúde e a segurança dos
trabalhadores, se tornem uma banalidade naquela que é a maior autarquia do país.
Mantém-te atento, sindicaliza-te e denuncia todas as situações de injustiça que presencies.
Lisboa, 7 de janeiro de 2019