Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LIBERDADE E BEM ESTAR

LIBERDADE E BEM ESTAR

Um país várias soluções para o mesmo problema

19.05.15, uon

A Grécia vai aplicar a partir de Setembro duas taxas únicas de IVA, de 18% e de 9,5%, que serão reduzidas para 15% e 6,5% se os pagamentos forem efectuados com cartão de crédito ou débito.

O anúncio foi feito em declarações à televisão privada Star pelo ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, que adiantou que o Estado prevê arrecadar 200 milhões de euros adicionais por ano com este novo regime de IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado).

O novo regime de IVA vai substituir o actual, cujas taxas são de 23%, 13% e 6,5%.

Com o incentivo a pagamentos com cartão de crédito ou débito, o Estado espera reduzir a elevada fraude com a cobrança de IVA, que é um dos quebra-cabeças de qualquer governo grego.

Varoufakis disse que o IVA reduzido será aplicado a alimentos, remédios e jornais, enquanto todos os outros bens serão sujeitos à outra taxa.

Assim, os alimentos só manterão a taxa actual de 6,5% se o cliente optar por pagar com cartão, já que se não o fizer sofrerá um incremento de três pontos percentuais.

A fatura da electricidade sofrerá um claro aumento, pois actualmente está sujeita a uma taxa média de 13% e no futuro passará para 15%, independentemente do modo de pagamento.

O ministro assegurou que nas ilhas, sujeitas hoje a taxas insulares reduzidas, será aplicada uma disposição específica.

A mudança do regime do IVA faz parte das medidas que a Grécia está a negociar com os credores para poder obter a parcela pendente do regime no valor de 7.200 milhões de euros.Lusa

 

O Siryza está visto como um partido radical de esquerda que muita gente tem medo na Grécia, mas a sua política praticada vai de encontro aos ditames da CEE/EUROGRUPO.

O Siryza não quer que a Grécia saía do euro, mas para isso tem de fazer as reformas anti-sociais que os donos da CEE querem.

Se a Grécia quer receber o cheque vai ficar en shek embora o governo do Siryra esteja renitente em aceitar os ditames do Eurogrupo em matéria de salários e pensões.

Num país há sempre várias soluções para o mesmo problema ou se aceita os ditames  ou não aceita os ditames e saem de CEE/NATO e a vida continua.